A 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri da Comarca de Teresina deu início nesta quinta-feira (17) ao aguardado julgamento de Thiago Mayson da Silva Barbosa. O réu é acusado de estuprar e matar a estudante de jornalismo Janaína Bezerra da Silva, em um crime que abalou a comunidade da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e reacendeu debates sobre a violência de gênero. A sessão do Júri teve início às 8h30 no Fórum de Teresina.

O tribunal presidido pelo juiz Antônio Nollêto concentrou-se nas alegações que pesam sobre Thiago Mayson, que foi detido no mesmo dia do crime, ocorrido na madrugada de 28 de janeiro dentro de uma sala da UFPI. A investigação conduzida pelo Núcleo de Feminicídio do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) apontou evidências que levaram à acusação por homicídio duplamente qualificado, incluindo o crime de feminicídio, além de estupro, vilipêndio de cadáver e fraude processual.

Os eventos que se desenrolaram desde então foram marcados por intensa análise das provas e depoimentos. A audiência de instrução processual realizada em 5 de abril trouxe à tona depoimentos de testemunhas e do próprio acusado. Posteriormente, o juiz Antônio Nollêto examinou minuciosamente as evidências. Em 30 de maio, a decisão para levar o caso a julgamento no Tribunal do Júri foi oficialmente publicada no Diário Oficial do Tribunal de Justiça.

O crime abalou a comunidade acadêmica e reverberou nacionalmente, estimulando discussões sobre segurança no campus e a prevalência da violência de gênero. Janaína Bezerra da Silva, a jovem estudante de jornalismo vítima do brutal assassinato, teve suas vértebras do pescoço deslocadas após uma calourada na UFPI. Além disso, a investigação revelou que ela foi estuprada enquanto ainda estava viva, antes de ser morta.

A advogada de defesa do acusado, que preferiu manter o anonimato, sustentou que Thiago Mayson não tinha a intenção de tirar a vida de Janaína, buscando assim atenuar as acusações. No âmbito acadêmico, a comissão de sindicância da UFPI concluiu pela expulsão do estudante de mestrado, medida que até o momento não foi efetivada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *