Conecte-se conosco

Política

Vacinação: Governador defende critérios igualitários e proporcionais para todos os estados

Publicado

em

O governador Wellington Dias esteve, nessa sexta-feira (15), em audiência com representante do Ministério da Saúde (MS). Na oportunidade, o assessor do MS, Airton Cascavel, garantiu que os critérios adotados pelo ministério em relação à vacinação contra a Covid-19 são igualitários e proporcionais para todos os estados brasileiros.

Essa definição é um luta do Fórum dos Governadores, desde o início da pandemia, por um cronograma nacional de imunização que beneficie igualmente todos dos estados da federação.

“O critério é justo, igual para todos, unânime, não há vencidos e não há vencedores. Vamos iniciar a vacinação no mesmo momento em todos os estados do Brasil. No processo de imunização, pode haver algumas mínimas distorções que, caso ocorram, poderão ser compensadas na previsão em seguida, para equalizar. A data do dia D é a data possível após aprovação da Anvisa das vacinas que solicitaram a regulamentação”, explanou Airton Cascavel.

O governador falou da integração entre o Ministério da Saúde, Estados, Municípios e parceiros.

“Temos a garantia de que a decisão leva em conta os critérios técnicos. Definido o número de doses disponíveis, 6 milhões ou 8 milhões, haverá um percentual de acordo com a população do Brasil. Temos aí particularidades, como essa da população indígena, ao mesmo tempo temos um entendimento que é o grande pleito do Brasil inteiro para que tenhamos o Dia D, uma data nacional, para que no Brasil inteiro possamos iniciar a vacinação. É claro que, para colocar essa data, com responsabilidade e em respeito à decisão da Anvisa, temos que ter essa autorização da agência. O lado bom é que, por força do cronograma legal, a Anvisa deve, até segunda-feira (18), colocar um posicionamento e todos nós esperamos a aprovação de duas vacinas, a da Fiocruz e a do Butantan”, destacou Wellington.

Para Dias, é importante que essas regras sejam claras e transparentes e enfatizou que, além desse primeiro momento, o Ministério da Saúde já está se organizando para as próximas remessas de vacinas que estarão disponíveis em fevereiro e meses seguintes.

Fonte: CCOM