Morreu na madrugada desta segunda-feira (22), aos 68 anos de idade, o ex-lateral e treinador Vágner Benazzi. A causa da morte ainda não foi divulgada, mas Benazzi há tempos lutava contra problemas de saúde. Seu corpo será velado no Cemitério Bela Vista, em Osasco, e será sepultado no mesmo lugar.

Como lateral-direito, Benazzi, que nasceu em Osasco (SP) no dia 17 de junho de 1954, fez parte de um time palmeirense que não deixou muitas saudades ao torcedor alviverde. Atuou pelo Verdão entre 1981 e 1982 ao lado de jogadores como Gilmar (goleiro), Sena (meia), Deda e Darinta (zagueiros), Vitor Hugo (volante), entre outros.

Como treinador, ele iniciou a carreira em 1989, pelo Sãocarlense, clube em que encerrou a carreira dois anos antes. Assim, ele passou por inúmeros times do interior paulista e, no início dos anos 2000, começou a comandar clubes de outras partes do Brasil, como o Náutico, Brasiliense, Criciúma e Paysandu.

Até que, em 2006, ele assumiu o comando da Portuguesa, que conseguiu escapar do rebaixamento para o Brasileirão da Série C.

No ano seguinte, a Lusa subiu no Campeonato Paulista (A-1) e também se deu bem na Série B voltando à elite do futebol brasileiro.

“O torcedor da Portuguesa merecia o que aconteceu em 2007. Um clube como a Lusa não pode ficar cinco anos fora da Série A”, falou Benazzi, em novembro de 2007.

Em meio ao Campeonato Brasileiro de 2008, no entanto, foi demitido da Lusa após derrota para o Ipatinga por 4 a 1. No fim de setembro do mesmo ano, ele assumiu a Ponte Preta, que tentava o acesso à Série A, mas foi dispensado da Macaca ao término da temporada.

Em outubro de 2010, foi contratado para assumir o comando técnico do Avaí, que lutava para não cair no Brasileirão daquele ano. Foi demitido no dia 14 de fevereiro de 2011, e quatro dias mais tarde acertou sua ida ao Bahia, que retornava à elite do futebol brasileiro.

Porém o prazo de validade de Benazzi não durou muito tempo, e no dia 10 de abril, após uma derrota no Campeonato Baiano, o treinador deixou o comando do Bahia. Após isto, assumiu o Vitória, no mesmo ano. Em 2012, comandou o Botafogo-SP e Bragantino.

Em 2013, o comandante passou pelo Atlético Sorocaba, Bragantino, mais uma vez, e Paysandu. No ano seguinte, ele treinou o Comercial e teve uma rápida passagem de 20 dias pelo Guarani.

Em 2014 teve uma rápida passagem pela Lusa, trabalhou um mês e foi demitido. Foi demitido do Comercial, de Ribeirão Preto, no dia 1° de março de 2016, apenas três dias após ter sido contratado. Na única partida que treinou o Bafo nesta curta passagem, a equipe derrotou o Guaratinguetá por 5 a 1.

Em maio de 2016, foi anunciado como novo técnico do Nacional-AM para a disputa da Série D do Brasileirão.

Fonte: Folhapress
Foto: Reprodução

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *