Conecte-se conosco

Política

Temos que melhorar e concretizar o Plano de Vacinação, diz Wellington Dias

Publicado

em

Em entrevista concedida na noite deste sábado, 12 de dezembro, à CNN Brasil, o governador piauiense e coordenador do Fórum dos Governadores, Wellington Dias (PT) avaliou positivamente o plano de vacinação contra a covid-19 encaminhado pelo Ministério da Saúde ao Supremo Tribunal Federal. O planejamento atende a pleitos dos líderes estaduais como a adoção de múltiplas vacinas e a garantia do imunizante para todo o país.

Dias indicou que agora o país caminha para o rumo certo, rechaçando a desorganização, que segundo ele, seria “o pior dos mundos”. Agora, o esforço dos governadores é que além do Instituto Butantan com produção máxima de 30 milhões de doses por mês, a Fiocruz também se comprometa a produzir pelo menos 15 milhões de doses por mês da vacina contra o novo coronavírus, somando-se ainda a aquisição dos imunizantes por meio de acordos internacionais

“É uma boa notícia, nós temos agora um plano oficial, antes tinhamos apenas parte dele, agora temos uma tarefa muito grande melhorar o plano, e uma mais dificil, que é concretizar. Temos pontos que consideramos importantes: múltiplas vacinas, o compromisso de vacinas para toda a demanda no Brasil através do Plano Nacional de Imunização”, disse.

Wellington Dias agora quer que seja destrinchado o cronograma de recebimento das vacinas, dando um norte para os Estados de quantas doses chegarão com o passar dos meses.

“Então o ministro Pazuello está no caminho correto, ao mesmo tempo a garantia que o Brasil a partir de agora precisa fechar os acordos para ter o cronograma, qual o cronograma de recebimento de vacinas, os Estados Unidos trabalha com até maio imunizar a população, ou ao menos 70% dela, e nós temos a presença do Butantan e da Fiocruz, e aliás um dos pleitos que vamos reiterar que além do Butantan que vai produzir 30 milhões de vacinas por mês que é o seu limite, que a Fiocruz possamos ter mais 15 milhões garantindo a produção, que com os demais acordos com a Pfizer, Astrazeneca, Sputinik, temos uma possibilidade grande de termos um cronograma mais rápido, quanto mais cedo imunizarmos a população, mais cedo saímos da pandemia e da crise econômica”, destacou.

Fonte: CNN
Foto: Arquivo