A taxa de desemprego caiu para 8,9% no trimestre de junho a agosto. Recuou 0,9 ponto percentual em relação ao trimestre anterior, de março, abril e maio. O índice chegou ao menor nível desde agosto de 2015, quando registrou o mesmo percentual.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou o resultado nesta 6ª feira (30.set.2022). Eis a íntegra dos dados (9 MB).

Segundo a pesquisa, havia 9,7 milhões de pessoas que procuravam trabalho no trimestre. Esse número é o menor desde dezembro de 2015. Caiu 8,8% em relação ao trimestre anterior, ou 937 mil pessoas a menos. Em comparação com 1 ano atrás, recuou 30,1%, ou 4,2 milhões de brasileiros a menos.

Subutilização
É considerado subutilizado quem está desempregado, trabalha menos do que poderia ou não procurou emprego mesmo estando disponível para trabalhar.

A taxa de subutilização caiu para 20,5% no trimestre encerrado em agosto deste ano, o menor nível para o período desde maio de 2016. A queda foi de 1,3 ponto percentual em relação ao trimestre de março a maio de 2022. Em um ano, o recuo foi de 6,6 pontos percentuais.

O número de pessoas subutilizadas chegou a 23,9 milhões no último resultado. Diminuiu 5,8% (menos 1,5 milhão) frente ao trimestre anterior –de março a maio. Também caiu em comparação com o trimestre encerrado em agosto de 2021 (-23,6%, ou menos 7,4 milhões de pessoas).

Dentro do grupo de subutilizados há o índice de desalentados, que são aqueles que não procuraram empregos porque não acreditam que vão conseguir.

A população manteve estabilidade no trimestre encerrado em agosto de 2022 contra o anterior. Somou 4,3 milhões de pessoas. Diminuiu 18,5% em relação ao período de fevereiro a abril do ano passado, o que representa 970 mil de pessoas a menos no grupo.

Mercado de trabalho
A população ocupada foi recorde para a série histórica, iniciada em 2012. Foram 99 milhões de pessoas no trimestre encerrado em agosto. Subiu 1,5% (mais 1,5 milhões) ante o trimestre anterior e 7,9% (mais 7,3 milhões de pessoas) em um ano.

O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado foi de 36 milhões. Registrou alta de 1,1% em relação ao trimestre de março a maio, o que são 398 mil pessoas. Subiu 9,4% contra o mesmo período 2021, o que são 3,1 milhões de pessoas a mais.

Já a quantidade de empregados sem carteiras –informais– atingiu 13,2 milhões, o maior índice da série histórica, iniciada em 2012. O contingente cresceu 2,8% em relação ao trimestre anterior (mais 355 mil pessoas) e 16% em relação ao trimestre de junho a agosto de 2021, o que representa 1,8 milhão de pessoas.

A taxa de informalidade foi de 39,7% da população ocupada, contra 40,1% no trimestre anterior e 40,6% no mesmo trimestre de 2021. O número de trabalhadores informais chegou a 39,3 milhões.

Rendimento médio
O rendimento real habitual (R$ 2.713) subiu 3,1% no trimestre de junho a agosto. Ficou estável em relação ao mesmo período do ano passado.

A massa de rendimento real habitual (R$ 263,5 bilhões) cresceu 4,7% frente ao trimestre anterior e 7,7% na comparação anual.

Fonte: Poder360

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *