Conecte-se conosco

Política

Senacon pede a Zoom esclarecimentos sobre suposta troca de informações

Publicado

em

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, pediu à empresa de tecnologia para videoconferências Zoom Video Comunications que esclareça as suspeitas de que estaria fornecendo ao Facebook os dados pessoais dos usuários de seu aplicativo de videochamadas, sem o conhecimento das pessoas.

Em carta assinada pela diretora do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, Juliana Oliveira Domingues, o órgão pede que a empresa responda, em dez dias a partir do recebimento do documento, a 19 perguntas formuladas pelos técnicos da secretaria.

A secretaria quer saber, entre outras coisas, desde quando a empresa realiza o compartilhamento de dados, de quem e por quais motivos. A Senacon também quer que a Zoom responda se repassa ao Facebook os dados de usuários que não têm conta na rede social pertencente a Mark Zuckerberg e se informa os internautas de tal prática e obtém o consentimento prévio deles.

As respostas, segundo a Senacon, balizarão o processo de averiguação preliminar instaurado pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, da própria secretaria, depois que as suspeitas vieram a público e se tornaram notícia em vários países. Na carta, são reproduzidos trechos traduzidos para o português de uma reportagem publicada em inglês, no site Vice, no dia 26 de março.

Política de privacidade

Assinada por Joseph Cox, a notícia informa que “a política de privacidade do Zoom, app de videochamadas, não é explícita sobre a transferência de dados para o Facebook” e que, “à medida em que as pessoas trabalham e socializam em casa [por causa das restrições impostas por governos, em diversos países, devido à pandemia do novo coronavírus], o software de videoconferência disparou em popularidade”, sem que a empresa deixe claro “que a versão iOS do aplicativo Zoom está enviando alguns dados de análise para o Facebook, mesmo que os usuários do Zoom não tenham uma conta no Facebook” e “tem vários outros problemas de privacidade em potencial”.

As informações levaram usuários e empresas a desinstalarem o aplicativo. Na segunda-feira (6), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu seus servidores de utilizarem a ferramenta de videoconferência nos computadores do órgão. Segundo a agência, a decisão foi adotada após terem sido identificadas possíveis falhas de segurança graves na ferramenta e por existir uma plataforma corporativa, já em uso pela Anvisa, que também permite a realização de videochamadas.

Ainda de acordo com a agência, em contato com especialistas em tecnologia da informação de outros países, os técnicos da Anvisa foram alertados de que as “vulnerabilidades” do Zoom Meeting poderiam ser exploradas por hackers, permitindo-lhes acessar a câmera e o microfone de outros computadores, além de facilitar o roubo de informações transmitidas nas teleconferências.

Zoom

A Agência Brasil não conseguiu contactar os responsáveis pela Zoom para comentar a iniciativa da Senacon, mas o próprio diretor executivo da empresa, Eric Yuan, já reconheceu falhas na ferramenta Zoom Meeting. “Admitimos que frustramos as expectativas de privacidade, nossas e da comunidade. Por isso, peço desculpas e divido que estamos fazendo algo a respeito”, escreveu o diretor no blog da empresa, em 1º de abril. Yuan garantiu que a empresa está adotando medidas para aperfeiçoar a segurança do programa, que, segundo ele, foi comprometida pelo aumento exponencial de sua base de usuários. Entre dezembro e abril, o número de pessoas usando o recurso saltou de 10 milhões para 200 milhões em todo o mundo.

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Wellington Dias propõe parcerias em defesa do clima ao presidente dos EUA

Publicado

em

O governador do Piauí e presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias, e outros governadores do Brasil encaminharam uma carta ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Na carta os governadores manifestam compromisso para trabalhar em sintonia com o Acordo de Paris e em favor das questões ambientais.

“São governadores de diferentes partidos que apontam uma necessidade de termos uma posição clara em ralação à nossa responsabilidade com a vida, com a biodiversidade e, inclusive, para evitar novas pandemias. Queremos a garantia de proteção das florestas nativas e do cumprimento do Código Florestal”, disse o governador Wellington Dias.

O governador Wellington Dias defende o aumento da produtividade ao invés de mais desmatamento, o cuidado com populações indígenas. Ele fala ainda sobre a necessidade da criação de alternativas de renda que não seja o desmatamento. “Nosso compromisso é com o momento atual e também com as futuras gerações”, disse.

Na carta, os governadores manifestam interesse no desenvolvimento de parcerias, com o objetivo de impulsionar a regeneração ambiental, o equilíbrio climático, a redução de desigualdades, o desenvolvimento de cadeias econômicas verdes nas Américas e a criação de um novo modelo civilizatório saudável e resiliente a pandemias.

No documento, há a defesa de uma coalização dos Governadores Pelo Clima, uma união ampla, envolvendo progressistas, moderados e conservadores, de situação e de oposição, dos mais diversos partidos que desejam uma construção colaborativa de soluções em defesa da humanidade e de todas as espécies de vida.

Com a decisão de Joe Biden de fortalecer a agenda ambiental internacional e o Acordo de Paris, os governadores do Brasil manifestam a intenção de implementar ações conjuntas, propondo a cooperação entre os Estados Unidos e os governos estaduais brasileiros, responsáveis pela maior parte da Floresta Amazônica.

Fonte: CCOM

Continue lendo

Política

Wellington Dias espera que uso da vacina Sputinik seja aprovado até sexta-feira

Publicado

em

O governador do Piauí e presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias, disse, nesta segunda-feira (12), que há expectativa de ter uma decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a importação da vacina Sputinik até a próxima sexta-feira (16). O imunizante foi comprado pelos estados nordestinos em parceria com o Ministério da Saúde. “O próprio Ministério da Saúde também fez uma compra de doses dessa vacina”, afirmou.

Segundo o governador, a Sputinik tem boa eficácia na imunização, é usada por 58 países. “Queremos essa decisão com base na Lei 124 de 2021, em que o Congresso Nacional determina que vacina já aprovada por agência reguladora de outro país possa ser utilizada em nosso país”, explica Wellington.

Para ele, o Brasil precisa de vacinas. “Esperamos a decisão da Anvisa em primeiro lugar e, em caso de não aprovação, iremos recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF)”, afirmou Wellington Dias.

Fonte: CCOM

Continue lendo

Política

Dr. Pessoa entrega praça e complexo esportivo na zona Norte

Publicado

em

Dando continuidade ao cronograma de entrega de obras dos 100 dias da nova gestão, o prefeito de Teresina doutor Pessoa inaugura na manhã desta terça-feira (13), obras na zona norte da capital.

Entre os empreendimentos a serem entregues está a praça do residencial Inglaterra. O local contou com R$ 309.438,27 (trezentos e nove mil quatrocentos e trinta e oito reais e vinte e sete centavos) em investimentos com recursos próprios da prefeitura.
Também será inaugurada a reforma do campo de futebol do bairro Nova Brasília, na zona Norte da cidade. Com um investimento de R$ 91.372,66 (noventa e um mil, trezentos e setenta e dois reais e sessenta e seis centavos), a obra será uma opção de lazer no local, além de fomentar o esporte na região.

O prefeito finalizará a agenda da manhã visitando a revitalização das alças da ponte primavera e estaiada que sofreu a ação de grafiteiros. A ação visa preservação do bem público.

Da Redação

Continue lendo

Popular