Conecte-se conosco

Política

Prefeito eleito de Goiânia é autorizado a tomar posse em UTI de hospital de São Paulo

Publicado

em

Com quadro de saúde instável, o ex-governador de Goiás Maguito Vilela (MDB), 71, poderá tomar posse como prefeito de Goiânia na UTI (unidade de terapia intensiva) do hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde está internado há dois meses em razão de complicações decorrentes da Covid-19.

A Câmara Municipal de Goiânia aprovou, nesta terça-feira (29), projeto de resolução que autoriza a posse virtual para eleitos que apresentarem atestado médico.

Maguito se afastou da campanha ainda no primeiro turno após ser diagnosticado com a doença provocada pelo novo coronavírus. Ficou sedado e inconsciente durante todo o restante do período eleitoral.

Em 22 de outubro, ele havia sido levado para UTI de um complexo de saúde na capital, de onde foi transferido para o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, com comprometimento de 75% dos pulmões.

No dia 29 de novembro, ele foi avisado pela equipe médica que havia ganhado as eleições com 52,6% dos votos válidos.

Maguito não está mais infectado pelo coronavírus, de acordo com o hospital. Segundo o último boletim médico, ele segue na UTI, em diálise, sedação leve, traqueostomizado, em pressão de suporte com níveis adequados de oxigenação e responde a estímulos em programa de reabilitação.

Apresentada pela Mesa Diretora, a resolução aprovada pela Câmara Municipal altera o regimento interno da casa para permitir, excepcionalmente, a posse virtual durante a pandemia. Autor da proposta e integrante da comissão de transição, o vereador Andrey Azeredo (MDB) diz que o objetivo da medida é garantir possibilidade para Maguito tomar posse.

O presidente da comissão e filho de Maguito, Daniel Vilela, afirma que somente na quinta-feira (31) haverá decisão sobre o formato da posse, de acordo com as condições do prefeito eleito no dia, por conta da instabilidade do estado de saúde dele. Ele diz que a posse virtual é uma alternativa, mas ressalta que outras possibilidades estão sendo analisadas.

A Lei Orgânica do Município prevê prazo de dez dias para a posse, a não ser que haja motivos de força maior que a impeça, comprovados e aceitos pela Câmara.

Até então, a comissão de transição cogitava a posse apenas do vice-prefeito eleito, vereador Rogério Cruz (Republicanos), até que Maguito tivesse condições de saúde aptas para assumir o mandato.

A câmara municipal chegou a estudar a possibilidade de convocação extraordinária para aprovar o adiamento da posse, com envio de uma mensagem ao Legislativo municipal por parte do MDB, acompanhada de atestados e pedido de posse em outra data. No entanto, com a posse no dia 1°, a votação perderia sentido.

O regimento da Câmara prevê que os empossados deverão prestar compromisso, com acompanhamento da leitura realizada pelo presidente da sessão, e depois assinar o livro de termo de posse. Como está internado e ainda sem falar, a expectativa da comissão de transição é de que Maguito possa consentir com o juramento por meio de gesto e assinatura eletrônica.

A comissão explica que outra possibilidade é de o emedebista estar acompanhado de um tabelião cartorial no momento para confirmar a posse ou ainda de vereadores que iriam ao hospital para comprovar seu desejo de assumir o mandato e assinar o documento.

Em meio ao cenário de incerteza sobre a posse do próximo prefeito de Goiânia, a equipe de transição ainda não divulgou os nomes dos secretários municipais, mas é certo que a capital terá mais secretarias no novo governo. Em dezembro, o vice-prefeito eleito disse que Maguito iria validar a lista de secretários com gestos.

A equipe de transição já colocou em prática algumas propostas de campanha. Maguito prometeu criar secretarias de esportes e de projetos. Uma minirreforma administrativa foi enviada para a Câmara e aprovada em dezembro, criando cinco novas secretarias e mais de 200 cargos.

Também foi aprovado projeto de IPTU social, que concede isenção do imposto a quem tem imóvel popular ou foi afetado pela pandemia.

O emedebista disputou a Prefeitura de Goiânia pela primeira vez nestas eleições. Ele é natural de Jataí, a 320 quilômetros da capital. Já foi vereador da cidade do interior, deputado estadual e federal, vice-governador e governador de Goiás, senador e, mais recentemente, prefeito de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital.

Fonte: Folhapress

Política

Covid-19: Defensoria suspende atendimentos presenciais por 7 dias

Publicado

em

Devido ao agravamento da pandemia ocasionada pelo novo coronavírus, a Defensoria Pública do Estado do Piauí está suspendendo, por um período de 7 dias, os atendimentos presenciais. O atendimento remoto permanece sendo realizado normalmente, e pode ser feito a partir dos contatos disponibilizados no site www.defensoria.pi.def.br e nas redes sociais da Instituição, como o Instagram @defensoriapiaui e a fanpage @DefensoriaPublicadoEstadodoPiaui.

A decisão sobre a suspensão consta na Portaria conjunta GDPG/CG Nº 02/2021, datada de 05 de março de 2021, sendo assinada pelo defensor público geral, Erisvaldo Marques dos Reis e pela corregedora-geral, Ana Patrícia Paes Landim Salha.

Ao estabelecer a medida, o defensor público geral e a corregedora-geral consideraram, entre outros pontos, que os dados recentemente divulgados pelo Governo do Estado do Piauí evidenciam aumento substancial de ocupação de leitos clínicos públicos destinados aos pacientes com Covid-19 tanto na capital como no interior do Estado; assim como a necessidade de prevenção à infecção e à propagação do novo coronavírus, de modo a reduzir os riscos epidemiológicos de transmissão do vírus e preservar a saúde de agentes públicos e usuários da Defensoria Pública, buscando evitar contaminações de grande escala que possam sobrecarregar ainda mais o sistema público de Saúde.

Fonte: Ascom DPE-PI

Continue lendo

Política

FMS, SESAPI e HU formam comitê de crise para enfrentar a Covid-19

Publicado

em

A Prefeitura de Teresina está fazendo um trabalho em conjunto com a rede estadual e federal para elaborar um novo plano de ação de combate à Covid-19. Ontem (04), o presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS) Gilberto Albuquerque esteve em reuniões com representantes destas esferas, e estão formando um comitê de crise com o objetivo de
promover uma maior integração e dar mais resolutividade no enfrentamento à doença.

As reuniões tiveram início ontem (04) entre o presidente da FMS e o secretário estadual de Saúde, Florentino Neto. Juntos, traçaram o plano e analisaram as possibilidades de abertura de novos leitos, do ponto de vista da capacidade de equipamentos, insumos e pessoal. Gilberto Albuquerque explica que desde o início do aumento mais expressivo nas taxas de ocupação, já foi possível ampliar o número dos leitos de UTI em hospitais como HUT, HGV, HU, Natan Portela e HPM, o que elevou o número de 144 para 186 em Teresina. Durante a reunião, eles calcularam ainda a possibilidade limítrofe para uma possível ampliação de acordo com a necessidade.

De posse destes dados, a equipe se reuniu também com o Hospital Universitário e decidiram formar um comitê de crise formado pelas três esferas. “O objetivo é que, tendo uma maior integração, a gente consiga resolver esses problemas com o envolvimento de todos e uma agilidade na integração. Assim, nós faremos o novo plano de ação para enfrentar a Covid-19 nessa situação de pandemia com esse envolvimento dos três entes”, esclarece o presidente da FMS.

De acordo com o boletim da FMS, na data de hoje (05), Teresina apresenta uma taxa de ocupação de leitos de UTI de 85,78%, incluindo leitos públicos, privados e filantrópicos. Em relação aos leitos clínicos, a taxa está em 69,81%. Já na rede municipal, a taxa de ocupação está em 100% para leitos de UTI, e 64,23% de leitos clínicos.

Fonte CCOM

Continue lendo

Política

Governador diz que 50 milhões de pessoas podem ser vacinadas em abril

Publicado

em

O governador Wellington Dias afirmou, nesta sexta-feira (5), que existe a possibilidade de que 50 milhões de brasileiros sejam vacinados até o fim do mês de abril. Isso se deve à ampliação da linha de produção do Instituto Butantan, que deve entregar 27 milhões de doses da vacina CoronaVac ainda este mês.

Segundo Wellington, com o maior volume de produção, com as vacinas CoronaVac, da AstraZeneca e ainda com a possibilidade da chegada de vacina da Coréia, o Brasil pode atingir o patamar de 20 milhões de pessoas vacinadas em março e 50 milhões em abril.

“Estamos cobrando o Plano Estratégico Nacional de Imunização e temos acertado com o Ministério da Saúde e outros atores, para atingirmos a meta de chegar em abril com 25% da população brasileira vacinada, algo em torno de 50 milhões de pessoas. Isso significa a vacinação de todo o grupo de risco, de pessoas com mais de 60 anos e os abaixo de 60 que possuem comorbidades. Vamos ter um grupo de trabalho com os governadores de cada região do Brasil para acompanhar, junto ao Ministério da Saúde, passo a passo do cronograma de vacinação”, disse Dias.

Fonte: CCOM

Continue lendo

Popular