Conecte-se conosco

    Brasil

    Polícia Federal prende homem flagrado ao destruir relógio de Dom João 6º

    Publicado

    em

    Polícia Federal prende homem flagrado ao destruir relógio de Dom João 6º

    A Polícia Federal (PF) prendeu nesta segunda-feira (23) Antônio Cláudio Alves Ferreira, 30, em Uberlândia (MG), nesta segunda-feira (23). Ele será levado à sede da PF na cidade mineira e deve ser transferido para Brasília amanhã.

    O vândalo foi filmado pelo circuito interno do Palácio do Planalto em 8 de janeiro derrubando o relógio Balthazar Martinot, do século 17, presente da corte francesa para Dom João 6º. Ele usava uma camiseta estampada com a foto de Jair Bolsonaro (PL).

    A Polícia Civil de Goiás confirmou a identidade de Ferreira no último domingo, quando o morador da cidade de Catalão (250 km de Goiânia) — passou a ser considerado foragido.
    A Polícia Federal ainda não informou as circunstâncias da prisão — nem de quais os crimes que ele poderá ser acusado. O processo corre em sigilo. A prisão foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF. A reportagem tentou entrar em contato com a defesa de Antônio Ferreira, mas não foi possível. O espaço segue aberto.

    Ferreira tem outros dois processos na Justiça: ameaça, em 2014, e tráfico de drogas, em 2017. Segundo a Polícia Civil de Goiás, os casos estão arquivados, pois Antônio Ferreira já cumpriu as sentenças.

    Golpistas presos
    Na sexta (20), Moraes manteve 946 golpistas presos preventivamente nos presídios da Papuda e Colmeia. Outras 464 obtiveram liberdade provisória e devem cumprir medidas cautelares como o uso de tornozeleira eletrônica.

    Moraes está à frente dos inquéritos que correm no Supremo Tribunal Federal sobre o ato golpista de 8 de janeiro. Em um deles, a Corte apura as supostas responsabilidades de agentes públicos na facilitação para o vandalismo de apoiadores de Bolsonaro. Entre eles, Anderson Torres, ex-secretário de Segurança Pública do DF; e Ibaneis Rocha (MDB), governador afastado do DF.

    Danos e prejuízos
    A Advocacia-Geral da União subiu para R$ 18,5 milhões o pedido de bloqueio de bens de financiadores do ato golpista que depredou as sedes dos Três Poderes. O valor inicial solicitado à 8ª Vara Federal de Brasília era de R$ 6,5 milhões.

    Todo o dinheiro será reservado para custear a restauração dos prédios do Palácio do Planalto, Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal.

    Segundo o último relatório da Advocacia-Geral da União, o valor da reforma pode chegar a R$ 18 milhões. A conta, no entanto, não inclui a restauração das obras de arte danificadas e presentes de chefes de Estado.

    Fonte: Folhapress
    Foto: Reprodução

    Propaganda
    Clique para comentar

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Propaganda

    Banca de Jornal

    Propaganda

    Popular