Conecte-se conosco

    Brasil

    PF vê crime de Bolsonaro por associar vacina anticovid à Aids

    Publicado

    em

    PF vê crime de Bolsonaro por associar vacina anticovid à Aids

    A PF (Polícia Federal) enviou um relatório ao STF (Supremo Tribunal Federal) em que conclui que o presidente Jair Bolsonaro (PL) cometeu crimes ao divulgar informações falsas sobre a pandemia de covid-19 e desincentivar o uso de máscaras quando a utilização foi determinada de forma obrigatória.

    O documento peticionado na última 6ª feira (23.dez.2022), consta como recebido nos autos na 3ª feira (27.dez)

    O relatório foi entregue no contexto do inquérito de relatoria do ministro Alexandre de Moraes que investiga declarações de Bolsonaro sobre a covid-19 em que o presidente associa a vacina contra a doença ao risco de desenvolver aids. As investigações foram iniciadas a pedido da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, no Senado Federal, ao STF.

    A delegada da PF Lorena Lima Nascimento, que assina a peça, diz que a instituição concluiu pela “existência de elementos probatórios concretos suficientes de autoria e materialidade” para atestar os crimes de “provocar alarma, anunciando desastre ou perigo inexistente, ou praticar qualquer ato capaz de produzir pânico ou tumulto” e de “incitação ao crime”.

    O documento explica, ainda, que Bolsonaro teria cometido o delito de incitação ao crime por incentivar “o descumprimento de normas sanitárias estabelecidas pelo próprio governo federal, que seria o uso obrigatório de máscaras pela população brasileira, de acordo com o disposto na Lei n° 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, alterada pela n° 14.019, de 2 de julho de 2020”.

    A PF também atribui os crimes ao tenente Mauro Cesar Barbosa Cid, que teria sido o responsável pela produção do material com informações falsas sobre a covid-19 divulgadas por Bolsonaro em uma live nas redes sociais em 21 de outubro de 2021.

    A live com a declaração do presidente foi tirada do ar pelo Facebook, pelo Instagram e pelo YouTube. As plataformas consideraram que houve disseminação de informações sem comprovação científica. Bolsonaro atribuiu a informação à revista Exame. Afirmou que “foi a própria ‘Exame’ que falou da relação de HIV com vacina”.

    Fonte: Poder360
    Foto: Reprodução

    Propaganda
    Clique para comentar

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Propaganda

    Banca de Jornal

    Propaganda

    Popular