Conecte-se conosco

Política

Petrobras vai concentrar presença internacional em três países

Publicado

em

[ad_1]

A Petrobras anunciou hoje (23) que vai reforçar sua presença internacional, no próximo ano, nos três principais mercados de petróleo do mundo, que são a Europa, América do Norte e Ásia. Por esse motivo, a companhia decidiu que sua atividade comercial será concentrada em três cidades: Roterdã, na Holanda; Houston, nos Estados Unidos; e Cingapura, no país do mesmo nome, após fechamento do escritório em Londres, Inglaterra.Petrobras vai concentrar presença internacional em três países

As atividades comerciais da Petrobras Europe Ltd., que funcionava na capital do Reino Unido, serão transferidas para a Petrobras Global Trading B.V., sediada em Roterdã. De acordo com a Petrobras, a medida objetiva a redução de despesas corporativas dentro do plano de resiliência. A mudança será iniciada no próximo trimestre e tem conclusão prevista para o segundo semestre de 2021. A Petrobras estima que a desativação de escritórios externos, iniciada no ano passado, atingirá US$ 13,5 milhões por ano, em 2021.

Dos 18 escritórios externos que a Petrobras mantinha no fim de 2018, dez foram fechados, incluindo as representações na China, no México, no Irã, na Turquia e em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Em função dos desinvestimentos em operações já realizados, a Petrobras também desativou escritórios no Japão, no Paraguai, na Nigéria, na Tanzânia e na Líbia. 

Por outro lado, a companhia mantém ainda escritórios na Bolívia, na Argentina, na Colômbia e no Uruguai. Nesses três últimos países, tão logo sejam concluídos processos de desinvestimentos em curso, a tendência é que os respectivos escritórios serão desativados.

No Brasil

A Petrobras informou que também no Brasil está ocorrendo concentração de atividades e redução dos gastos com escritórios. Os 23 edifícios administrativos que a Petrobras ocupava no país há dois anos devem ser reduzidos a oito no primeiro trimestre de 2021. Segundo a empresa, isso significa redução de custos de até US$ 30 milhões, no próximo ano.

[ad_2]

Fonte: Agência Brasil

Banca de Jornal

Propaganda