Conecte-se conosco

    Esporte

    Palmeiras vence Flamengo na prorrogação e é tricampeão da Libertadores

    Publicado

    em

    Palmeiras vence Flamengo na prorrogação e é tricampeão da Libertadores

    A América do Sul, mais uma vez, veste verde: o Palmeiras é tricampeão da Copa Libertadores. A equipe do técnico Abel Ferreira contrariou os prognósticos e bateu o Flamengo por 2 a 1, na prorrogação, em Montevidéu (URU), para ficar com o título da edição 2021. O gol do título foi feito por Deyverson, que entrou justamente no tempo extra. Anteriormente haviam marcado Raphael Veiga, para o Alviverde, e Gabigol, para o Rubro-Negro.

    O Palmeiras já havia conquistado a competição em 1999 e ano passado, quando venceu o rival Santos por 1 a 0, no Maracanã (RJ).

    Abel Ferreira chega ao seu segundo título e se isola como técnico europeu que mais vezes venceu o torneio, deixando para trás o compatriota Jorge Jesus, que venceu justamente com o Flamengo, rival desta final de 2021, na temporada de 2019.
    O Palmeiras fez jogo taticamente perfeito até a metade do segundo tempo. Soube explorar os pontos fracos do adversário — as costas dos laterais —, abriu o placar logo cedo no jogo e, mesmo assim, manteve-se pressionando o Flamengo, tendo jogado melhor no 1º tempo. Na segunda etapa, o time passou a usar o cronômetro a seu favor, fazendo o que melhor sabe: explorar o jogo veloz de transição. Mas uma falha de Weverton, algo raríssimo, deu o empate ao Flamengo, que cresceu no jogo.

    Palmeiras viu meio-campo desmontar no 2º tempo
    Primeiro, foi Danilo. Depois, Zé Rafael. E o Palmeiras perdeu seu meio-campo no segundo tempo de jogo. As entradas de Patrick de Paula e Danilo Barbosa alteraram completamente a maneira de o Palmeiras se defender e atacar, ficando mais vulnerável e menos efetivo na frente.
    O título consagra, além do treinador português, o trabalho do presidente Mauricio Galiotte e do diretor Anderson Barros. Galiotte, que encerra seu segundo mandado em dezembro, despede-se do cargo com cinco conquistas: duas Libertadores (2020 e 2021), um Campeonato Brasileiro (2018), uma Copa do Brasil (2020) e um Campeonato Paulista (2020).

    Barros, que chegou ao clube para substituir o badalado Alexandre Mattos, faz administração de contenção de gastos e, mesmo assim, levou o departamento de futebol a quatro das cinco conquistas da gestão. Mas, que seja feita justiça, Mattos contratou a maioria dos jogadores do elenco bicampeão.

    Com a conquista, o Palmeiras se iguala a Grêmio, Santos e São Paulo e entra para o panteão dos clubes tricampeões da Libertadores, os clubes brasileiros que mais vezes venceram o torneio. Essa foi a sexta final do Palmeiras, que agora tem um aproveitamento de 50% em termos de títulos. O título faz do Palestra o primeiro clube a ganhar um bicampeonato consecutivo desde o Boca Juniors de 2000 e 2001.

    O Palmeiras, clube brasileiro com mais participações na competição, com 21, ao lado de São Paulo e Grêmio, soma ainda mais jogos (210), mais vitórias (118), mais vitórias como visitante (44), mais gols (391), mais gols como mandante (233) e mais gols como visitante (156 tentos).

    Mundial é logo ali
    Com o título, o Palmeiras se classificou para o Mundial de Clubes que será disputado em fevereiro de 2022, nos Emirados Árabes. A competição contará com Chelsea (Inglaterra), Al Hilal (Arábia Saudita), Monterrey (México), Al-Ahly (Egito), Al Jazira (Emirados Árabes) e Auckland City (Nova Zelândia).

    Deyverson tem estrela: entra e marca
    O palmeirense que disser que entendeu ou que gostou da entrada de Deyverson para jogar a prorrogação estará mentindo. Ainda mais com o prognóstico de disputa de pênaltis, a saída de Raphael Veiga, o único bom batedor de fato do time, parecia trágica. Mas, logo aos 4min, ele calou a boca de seus críticos. Andreas Pereira vacilou, Deyverson roubou a bola e bateu na saída de Diego Alves para fazer o segundo do Palmeiras no jogo.

    O melhor: Arrascaeta supera limitações
    Em meio aos problemas de criação que o Flamengo apresentou no Uruguai e diante do bom sistema defensivo do Palmeiras, Arrascaeta foi o rubro-negro mais lúcido. Mesmo retornando de contusão na coxa, o uruguaio consegui descolar bons passes e tentou se desvencilhar da marcação. Taticamente, o camisa 14 também teve papel importante ao ocupar espaços na hora da perda da bola e no combate. Com essa entrega e ainda o peso da prorrogação, o meia cansou e caiu de produção.

    O melhor: Danilo estava bem e fez falta ao sair
    O jovem volante alviverde foi impecável na marcação e na saída para o ataque. Aparecia em todos os setores do campo sempre se oferecendo como opção de lucidez e inteligência. Sua saída, lesionado, foi enorme baque para o Palmeiras.

    O pior: Andreas comete erro fatal
    O volante cumpria atuação razoável no Centenário, mas seu erro no gol de Deyverson foi capital. Ao perder uma bola para o atacante palmeirense, permitiu que o rival saísse na cara de Diego Alves.

    Flamengo: mudança de postura
    Na finalíssima da Libertadores, o Flamengo entrou em campo sem a chamada “pegada” de decisão. Contra o rival muito bem postado defensivamente, o Fla aceitou com passividade a marcação palmeirense e não achou alternativas para mudar a cara do jogo no primeiro tempo. A equipe tentou se impor mais na segunda etapa, passou a ocupar mais o campo contrário e, enfim, chegou ao empate. A partir daí, o Rubro-Negro foi notadamente melhor que o Alviverde e controlou as ações. Um erro crasso de Andreas Pereira, no entanto, colocou tudo a perder.

    O Palmeiras fez jogo taticamente perfeito até a metade do segundo tempo. Soube explorar os pontos fracos do adversário — as costas dos laterais —, abriu o placar logo cedo no jogo e, mesmo assim, manteve-se pressionando o Flamengo, tendo jogado melhor no 1º tempo. Na segunda etapa, o time passou a usar o cronômetro a seu favor, fazendo o que melhor sabe: explorar o jogo veloz de transição. Mas uma falha de Weverton, algo raríssimo, deu o empate ao Flamengo, que cresceu no jogo.

    Palmeiras viu meio-campo desmontar no 2º tempo
    Primeiro, foi Danilo. Depois, Zé Rafael. E o Palmeiras perdeu seu meio-campo no segundo tempo de jogo. As entradas de Patrick de Paula e Danilo Barbosa alteraram completamente a maneira de o Palmeiras se defender e atacar, ficando mais vulnerável e menos efetivo na frente.

    Palmeiras vence Flamengo na prorrogação e é tricampeão da Libertadores
    Deyverson fez o gol da vitória para o Palmeiras

    Fonte: Folhapress

    Propaganda
    Clique para comentar

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Banca de Jornal

    Propaganda