Conecte-se conosco

Cidades

Nutricionista dá dicas de alimentação para pacientes que se recuperam da covid

Publicado

em

Nutricionista dá dicas de alimentação para pacientes que se recuperam da covid

No dia Mundial da Saúde, comemorado nesta quarta, 7 de abril, o Estado do Piauí continua sua luta no combate ao avanço do coronavírus. Até a presente data são 212.348 casos confirmados e 4.298 óbitos, segundo dados da Secretaria de Saúde.

Em meio a esse turbilhão de casos de infecção, a boa notícia é que pelo menos 12.495 pessoas já obtiveram altas médicas, o que representa não só uma folga no sistema de saúde, mas também um alívio para as famílias.

Mas ao contrário do que muitos pensam, a batalha não encerra com a alta médica. Os cuidados em casa, com a continuidade da medicação, fisioterapia e alimentação são importantes para a plena recuperação do paciente.

Glayson Moura, Professor do Centro Universitário UniFacid dos cursos de Nutrição e Gastronomia e Mestre em Ciências e Saúde, diz que não existe um alimento milagroso que contribuirá para melhora da saúde após alta de covid-19. No entanto, ressalta que algumas condutas nutricionais podem ser tomadas para melhorar as alterações clínicas apresentadas nos pacientes.

A aposentada Margarida Sabino, 73 anos, por exemplo, enfrenta essa fase de recuperação em casa após a alta hospitalar e tenta manter uma alimentação balanceada de acordo com as recomendações do nutricionista. “É uma adaptação diferente, mas tem sido positiva pois estou seguindo com uma alimentação saudável e muito focada na minha recuperação, principalmente por conta da fraqueza que ainda sinto em consequência da doença”, afirma.

Formado em Coach Nutricional e Neurocoach Aplicado à Nutrição (ACN), o Professor do Unifacid, Glayson Moura, elenca uma série de condutas nutricionais a pacientes que se recuperam de covid. Ele aponta, inclusive, dicas conforme o quadro atual da pessoa. Confira:

Para pacientes com quadro de ansiedade:
– Consumir chás calmantes (camomila, melissa, mulungu, passiflora);
– Reduzir o consumo de bebidas estimulantes (café, chá preto e verde);
– Evitar o excesso de informações negativas;
– Reduzir o consumo de açúcar, gorduras saturadas e carboidratos simples;
– Manter o sono regular.

Para pacientes com quadro de distúrbios do sono:
– Consumir chás calmantes (camomila, melissa, mulungu, passiflora);
– Reduzir o consumo de bebidas estimulantes (café, chá preto e verde) próximo ao horário de dormir;
– Reduzir o consumo de açúcar e bebidas açucaradas;
– Consumir alimentos que contenham triptofano (aminoácido que aumenta a produção de serotonina – hormônio que regula o humor, apetite e o sono), tais como: soja, amendoim, aveia, lentilha, carne bovina, banana, cereja, kiwi, chocolate amargo, leite e iogurtes naturais.

Para pacientes com quadro de alterações no peso corporal:
– Conscientização que a alimentação deve ser o mais saudável possível;
– Procurar se alimentar em horários regulares e tentar fazer de seis a oito refeições por dia;
– Ter uma ingestão adequada de nutrientes, para isso deve-se consumir mais alimentos in natura, como arroz, feijão, ovos, carnes em geral (preferência às carnes sem gordura), frutas, legumes e verduras;
– Priorizar a oferta de temperos naturais nas preparações;
– Limitar o consumo de alimentos processados e evitar os alimentos ultra processados (industrializados), pois são alimentos que apresentam substâncias que fazem mal a nossa saúde;
– Caso haja perda de peso, um plano alimentar hipercalórico é uma opção, além da utilização de suplementos nutricionais – hipercalóricos e hiperproteicos (conforme orientação do profissional de nutrição).

Para pacientes com quadro de alterações de olfato e paladar:
– Conscientização da importância da alimentação, apesar das alterações sensoriais;
– Procurar consumir alimentos de acordo com a preferência (desde que saudáveis);
– Procurar se alimentar em horários regulares e tentar fazer

de seis a oito refeições por dia e em menor quantidade;
– Quando necessário, utilizar complementos nutricionais com flavorizantes e aromas;
– Consumir os alimentos em temperaturas elevadas, de forma que estimule outros sentidos;
– Consumir alimentos com sabores mais acentuados, além de apostar em ervas aromáticas e naturais nas preparações;
– Consumir alimentos fontes de zinco em todas as refeições, tais como: aves, carnes vermelhas, nozes, sementes de abóbora, sementes de gergelim, frutos do mar e lentilha.

Para pacientes com quadro de estomatite e/ou fissuras orais:
– Conscientização da importância da alimentação;
– Modificar a consistência das preparações (respeite sua tolerância);
– Evitar consumir alimentos secos, duros ou picantes;
– Não consumir alimentos irritantes à mucosa.

Para pacientes com quadro de cansaço respiratório:
– Conscientização da importância da alimentação;
– Modificar a consistência das preparações (branda, pastosa ou líquida pastosa);
– Fracionar a alimentação em seis a oito refeições por dia e em menor quantidade;
– O plano alimentar deve ter uma densidade energética elevada e quando necessário deve ser utilizado suplementos nutricionais – hipercalóricos e hiperproteicos (conforme orientação do profissional de nutrição).
– Consumir chás que auxiliam no alívio da congestão nasal (gengibre, canela, cúrcuma e hortelã).

Para pacientes com quadro de disfagia pós-intubação orotraqueal:
– Conscientização da importância da alimentação (paciente e acompanhante);
– Modificar a consistência das preparações (branda, pastosa ou líquida pastosa), conforme aceitação do paciente e de acordo com as orientações do fonoaudiólogo;
– Utilizar espessantes em caso de disfagia a líquidos, líquidos-pastosos e pastosos;
– Em caso de disfagia a alimentos sólidos, deve-se ingerir pequenos volumes de líquidos junto às refeições para facilitar a mastigação e a deglutição;
– Evitar alimentos secos, tais como: bolachas, pães, farofas, casca de frutas e de vegetais;
– Usar preparações de fácil mastigação (preferir alimentos umedecidos);
– Tornar as refeições mais coloridas e atrativas;
– Estimular a mastigação em caso de disfagia para alimentos sólidos>

Fonte: Ascom

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Banca de Jornal

Propaganda