As equipes de resgate na Turquia e na Síria fazem buscas durante a madrugada de terça-feira (7, ainda dia 6 no Brasil) na esperança de encontrar mais sobreviventes do terremoto de magnitude 7,8 que atingiu os países.

Já foram confirmadas mais de 3.600 mortes: na Turquia, 2.300 morreram, segundo o último balanço do governo; na Síria, foram 1.444, segundo a agência de notícias Reuters.

As autoridades temem que mais pessoas morram antes do amanhecer. Há possibilidade de tremores secundários, e as equipes de resgate ainda procuram sobreviventes entre emaranhados de metal e concreto dos escombros espalhados pela região.

A quantidade de prédios destruídos é grande: milhares de edifícios desabaram em uma área que se estende de Alepo e Hama, na Síria, até Diyarbakir, na Turquia.

Só na Turquia, mais de 5.600 prédios foram destruídos, de acordo com informações de autoridades do país. Hospitais também foram atingidos — uma unidade de saúde inteira caiu na cidade de Iskenderun.

Dezenas de milhares sem casa enfrentam o frio
Dezenas de milhares de pessoas ficaram desabrigadas na Turquia e na Síria, e essas pessoas enfrentam uma noite de frio.

Na terça-feira, a mínima em Gaziantep, na Turquia, deve ser de -3ºC. Em Alepo, na Síria, a mínima prevista é de 1ºC.

Na Turquia, as pessoas que não podem voltar para casa se refugiaram em shoppings, estádios, mesquitas e centros comunitários.

Terremoto mais forte desde 1939
Este terremoto de magnitude 7,8 foi o mais forte desde 1939 na região, que fica sobre várias placas tectônicas. Segundo relatos, o tremor durou mais de um minuto e meio e gerou dezenas de réplicas. A última delas foi outro terremoto de magnitude 7,6, também na região central da Turquia, por volta de 13h30 no horário local (7h30 no horário de Brasília).

A profundidade, de cerca de dez quilômetros, e a duração do tremor são dois fatores que explicam a grande destruição provocada — imagens mostram prédios inteiros desabados e municípios amplamente destruídos.

Segundo as autoridades, sabe-se que:
Segundo o último balanço do governo turco, 2.300 pessoas morreram na Turquia;
Na Síria, foram 1.444 mortos, segundo levantamento da agência Reuters;
Mais de 5 mil pessoas ficaram feridas, e milhares ainda estão desaparecidas;
Até a última atualização desta reportagem, mais de 40 réplicas foram registradas;
O epicentro foi a 10 quilômetros da superfície, segundo o Centro Alemão de Pesquisa em Geociências — esta é uma profundidade considerada baixa, muito próxima ao solo, e pode explicar, em parte, o tamanho da destruição provocada;
O epicentro do tremor foi no povoado de Kahramanmaras, próximo à cidade de Gaziantep, no sudoeste, bem perto da fronteira com a Síria, e atingiu um raio de cerca de 250 km;
O noroeste da Síria também foi fortemente afetado;
O tremor também foi sentido em Israel, Chipre e no Líbano;
Segundo o governo turco, mais de 45 países já anunciaram que enviarão ajuda humanitária e equipes de busca.

Fonte: globo.com
Foto: Reprodução

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *