Conecte-se conosco

    Internacional

    Nova York declara estado de emergência após aumento de casos de covid-19

    Publicado

    em

    Nova York declara estado de emergência após aumento de casos de covid-19

    A governadora de Nova York, Kathy Hochul, emitiu uma declaração de “emergência de desastre” ontem, devido às taxas crescentes de infecções e hospitalizações pela covid-19 no estado, além da ameaça da variante ômicron, recém-descoberta na África do Sul e classificada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como “de preocupação”.

    Ela disse que a variante ainda não foi detectada no estado, mas que decidiu assinar uma ordem executiva para permitir que o departamento de saúde limite procedimentos não essenciais e não urgentes em hospitais e adquira suprimentos essenciais mais rapidamente. A medida entra em vigor em 3 de dezembro e será reavaliada em 15 de janeiro, segundo a Bloomberg.

    “Continuamos a ver sinais de alerta de picos de covid neste inverno e, embora a nova variante ômicron ainda não tenha sido detectada no estado de Nova York, ela está chegando”, escreveu a governadora em sua conta oficial no Twitter.

    Ela afirmou que a situação seria evitável se as pessoas se vacinassem e fez um apelo para que os nova-iorquinos procurem postos de saúde para serem imunizados, classificando as vacinas como “nossa maior arma nesta pandemia”. Segundo dados do jornal The New York Times, 68% da população do estado está completamente imunizada contra a covid-19.

    EUA impõem restrições de viagem a 8 países da África
    O presidente dos EUA, Joe Biden, vai impor restrições de viagem a oito países do sul da África a partir de segunda-feira (29). O objetivo é tentar controlar o avanço da nova variante do coronavírus.

    Seguindo o conselho de Anthony Fauci —principal infectologista do governo norte-americano— e dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças, a administração Biden restringirá viagens da África do Sul, Botsuana, Zimbábue, Namíbia, Lesoto, Eswatini (ex-Suazilândia), Moçambique e Maláui.

    As medidas não se aplicarão a cidadãos norte-americanos e residentes permanentes legais. Como acontece com todos os viajantes internacionais, eles ainda devem testar negativo para a covid-19 antes da viagem.

    Fonte: Folhapress

    Propaganda
    Clique para comentar

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Banca de Jornal

    Propaganda