O músico João Donato, de 88 anos, morreu nesta segunda-feira (17) no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pela família do músico.

João Donato morreu em decorrência de uma série de problemas de saúde. Recentemente, ele teve uma infecção nos pulmões. Pianista, acordeonista, arranjador, cantor e compositor, João Donato de Oliveira Neto nasceu em 1934 em Rio Branco, no Acre.

João Donato tinha mais de 70 anos de carreira como músico, em uma carreira marcada pela criatividade e pelas misturas de vários gêneros musicais.

Carreira marcada pela inovação
A inovação pode ser vista desde cedo. Na infância, ele costumava brincar de música com flautinhas de bambu e panelas. Depois, recebeu de presente um acordeom de oito baixos e, mais tarde, um instrumento maior.

m 1945, mudou-se para o Rio de Janeiro com a família. Na cidade, começou a tocar em festas do colégio onde estudava. Em uma delas, conheceu o grupo Namorados da Lua e fez amizade com Lúcio Alves, Nanai e Chicão.

Quatro anos depois, já atuava em jam-sessions realizadas na casa de Dick Farney e no Sinatra-Farney Fan Club, do qual era membro.

Iniciou sua carreira profissional em 1949, como integrante do grupo Altamiro Carrilho e Seu Regional, com o qual gravou, nesse ano, um álbum contendo as canções “Brejeiro”, de Ernesto Nazareth, e “Feliz aniversário”, de Altamiro Carrilho e Ari Duarte.

Em 1951, participou do programa de música nordestina “Manhãs da roça”, comandado por Zé do Norte, na Rádio Guanabara. Nessa época, começou a estudar piano.

m seguida, substituiu Chiquinho do Acordeon no conjunto de Fafá Lemos em apresentação na boate Monte Carlo, no Rio de Janeiro. Atuou depois em outras casas noturnas, como Plaza, Drink, Sachas e Au Bom Gourmet.

Em 1953, formou seu próprio grupo, Donato e Seu Conjunto, com o qual lançou, ao longo do ano, dois discos em 78 RPM: “Tenderly” (J. Lawrence e W..Gross)/”Invitation” (Bronislau Kaper) e “Já chegou a hora (Rubens Campos e Henricão)/”You Belong to Me” (Pee Wee King, Stewart e Price).

Fez parte do grupo Os Namorados, com o qual gravou três discos em 78 RPM: “Eu quero um samba” (Haroldo Barbosa e Janet de Almeida)/”Três Ave-Marias” (Hanibal Cruz), em 1953; “Palpite infeliz” (Noel Rosa)/”Pagode em Xerém (Sebastião Gomes e Alcebádes Barcelos), em 1953; e “Você sorriu” (Valdemar Gomes e José Rosa)/”Não sou bobo” (Nanai, Ari Monteiro e L. Machado), em 1954.

Ainda em 1954, formou o Trio Donato, com o qual lançou um álbum contendo as canções “Se acaso você chegasse”, de Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins, e “Há muito tempo atrás, de J. Kern e I. Gershwin.

Em 1956, mudou-se para São Paulo, onde atuou como pianista do conjunto Os Copacabanas e na Orquestra de Luís Cesar. No mesmo ano, lançou, com o Donato e Seu Conjunto, um outro álbum, contendo as músicas “Farinhada”, de Zé Dantas, e “Comigo é assim”, de Luiz Bittencourt e José Menezes.

Ainda em 1956, gravou o primeiro LP: “Chá dançante”, produzido por Tom Jobim para a gravadora Odeon. No repertório, as canções “Comigo é assim”, de Luiz Bittencourt e Zé Menezes; “No Rancho Fundo”, de Ary Barroso e Lamartine Babo; “Se acaso você chegasse”, de Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins; “Carinhoso”, de Pixinguinha e João de Barro; “Baião”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira; “Peguei um Ita no Norte”, de Dorival Caymmi; “Farinhada”, de Zé Dantas; e “Baião da Garoa”, de Luiz Gonzaga e Hervé Cordovil

Em 1958, voltou para o Rio de Janeiro e passou a dedicar-se ao piano. Nesse ano, gravou duas faixas no LP “Dance conosco”: “Minha saudade”, seu primeiro sucesso, e “Mambinho”. Ambas foram em parceria com João Gilberto. Nessa época, fez parte da Orquestra do Maestro Copinha, que se apresentava no Copacabana Palace.

Em 1959, viajou para o México com Nanai e Elizeth Cardoso. Em seguida, transferiu-se para os Estados Unidos, onde residiu durante três anos. Nesse país, atuou com Carl Tjader, Johnny Martinez, Tito Puente e Mongo Santa Maria. Donato também excursionou com João Gilberto pela Europa. Em 1962, voltou para o Brasil, casado com a atriz norte-americana Patricia del Sasser.

Em 1963, gravou o LP “Muito à vontade”. O disco foi lançado pela Polydor, com destaque para suas composições “Sambou… Sambou”, com João Melo; e “Caminho de casa”. Também nesse ano, lançou o LP “A bossa muito moderna de João Donato e seu Trio”.

Com informações do globo.com
Fotos: Divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *