A alimentação saudável é uma das principais aliadas na prevenção e no tratamento de doenças crônicas, como obesidade, diabetes, hipertensão e câncer. Essas doenças são responsáveis por 63% das mortes globais, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), e estão relacionadas a fatores de risco como má alimentação e falta de atividade física.

Segundo a nutricionista da Clínica DMI, Sílvia Fernanda, ter uma dieta balanceada é importante no tratamento desse tipo de doença.

“Uma vez instalada a doença, a dieta vai servir para reduzir os sinais e sintomas desagradáveis que o paciente esteja sentindo, mas não havendo ainda a patologia a dieta fará com que o organismo fique protegido dos agravos que ela provoca pois a prevenção atua direto no funcionamento do corpo e proteção das células”, explica a nutricionista.

Segundo o Guia Alimentar para a População Brasileira, elaborado pelo Ministério da Saúde, uma alimentação saudável deve ser baseada em alimentos in natura ou que sejam minimamente processados, como frutas, verduras, legumes e cereais integrais. Esses alimentos são ricos em vitaminas, minerais e fibras que protegem o organismo contra os danos causados pelos radicais livres.

Alimentos que contêm altas quantidades de calorias, gorduras saturadas podem aumentar o risco de obesidade e de outras doenças crônicas. Segundo a nutricionista, em alguns casos, os pacientes com a patologia podem alcançar a cura.

“Pode haver a reversão da doença, se ela for diagnosticada precocemente. Mas, caso contrário, a alimentação servirá para diminuir e controlar o avanço dela. Além disso, a prática de atividade física regular de pelo menos 150 minutos por semana, sono reparador e vida menos estressante ajuda bastante no tratamento”, reforça Sílvia.

Além disso o acompanhamento profissional também é de extrema importância para manter uma dieta equilibrada. Outros métodos que podem ajudar na rotina de alimentação saudável é planejar as refeições com antecedência, fazer compras conscientes no supermercado ou na feira e evitar comer alimentos como fast-food’s com frequência.

Fonte: Ascom
Foto: Divulgção

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *