Moscou teve a segurança reforçada neste sábado (24) em meio ao motim do Grupo Wagner que tomou a cidade de Rostov-on-Don e chegou a Voronezh. Segundo informações da agência de notícias Reuters, soldados russos teriam posicionado uma metralhadora na periferia de Moscou. A Praça Vermelha foi fechada por policiais.

De acordo com a agência, o jornal Vedomosti informou que a arma havia sido montada na extremidade sudoeste da cidade.

O Grupo Wagner, antes aliado de Vladmir Putin na invasão da Ucrânia, acusou o governo russo de atacar acampamentos da organização e prometeu retaliações. Por sua vez, Putin acusou o grupo de traição.

Em meio ao conflito, surgiram rumores de Putin teria deixado Moscou, o que foi negado pelo porta-voz do governo, Dmitri Peskov, à agência de notícias Ria Novosti.

Policiais armados estão se reunindo no ponto onde a rodovia M4 – por onde os mercenários amotinados de Wagner estão se movendo – chega à capital russa. O Kyiv Post, um jornal ucraniano, informou que trincheiras estavam sendo cavadas nos arredores de Moscou.

Não se via tal movimentação desde que o então presidente Boris Ieltsin lidou à bala com uma revolta parlamentar em 1993 e nas duas guerras de secessão da Tchetchênia, em 1994-1996 e 1999-2000.

Prigozhin Grupo Wagner lidera o Grupo Wagner

Putin fez discurso afirmando que vai esmagar traidores
“Ambições excessivas levaram à traição. É um golpe contra a Rússia e seu povo. Nossas ações para proteger a pátria-mãe serão duras”, disse o líder russo, Vladimir Putin, em rede nacional de TV na manhã deste sábado, madrugada no Brasil. “Todos que entraram no caminho da traição, que prepararam uma rebelião armada, que adotaram chantagem e métodos terroristas sofrerão a punição inevitável.”

Putin fez discurso na TV russa

Entenda o caso
Yevgeny Prigozhin, o chefe do grupo, entrou abertamente em campanha para destituir o ministro de Defesa da Rússia nesta sexta-feira (23). O grupo luta ao lado da Rússia na guerra contra a Ucrânia.
Prigozhin acusou o próprio Ministério de Defesa da Rússia de atacar acampamentos da organização e prometeu retaliação.
O Ministério da Defesa emitiu rapidamente um comunicado no qual afirma que as acusações de Prigozhin “não correspondem à realidade e são uma provocação informativa”.
A segurança de Moscou foi reforçada após a movimentação nas ruas aumentar e o prefeito da capital russa, Sergei Sobyanin, declarou que estão sendo tomadas medidas antiterroristas.
Em um vídeo divulgado neste sábado, Prigozhin disse que todos as sedes militares da Rússia em Rostov-on-Don estão sob controle do Grupo Wagner.
A agência Reuters afirmou que instalações militares de Voronezh, a 500 km de Moscou, também foram tomadas pelo grupo.

Soldados em tanque do Grupo Wagner

Fonte: Folhapress
Fotos: Reprodução/ Rede social

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *