Conecte-se conosco

Notícias do Piauí

Falta de estrutura nos CAPS do Piauí sobrecarrega médicos

Publicado

em

Em mais de um ano de fiscalizações, o Conselho Regional de medicina do Piauí fez um detalhamento de como anda a saúde mental no Estado. As fiscalizações aconteceram em todos os CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) do Piauí e o CRM-PI constatou que 91% dos centros não funcionam em imóvel próprio e não atendem as exigências estruturais do Ministério da Saúde. O trabalho começou em janeiro de 2018 e foi concluído em dezembro de 2019. Foram vistoriados 65 CAPS, esses que são divididos em tipos diferentes conforme demanda, perfil de pacientes e estrutura física: CAPS I e CAPS II, que atende durante o dia adultos com transtorno mentais severos e persistentes; CAPS III, para atendimento diário e noturno de adultos com transtornos severos e persistentes; CAPSi: para infância e adolescência, para atendimento diário a crianças e adolescentes com transtornos mentais e CAPSad: CAPS para usuários de álcool e drogas

Dos 65 CAPS vistoriados, prevaleceu o tipo I com 44 unidades vistoriadas. O tipo menos frequente foi o CAPS III com apenas uma unidade vistoriada. As irregularidades e falta de estrutura se deram na maioria dos CAPS vistoriados. Na inspeção foi constatado que 82% dos não tinham banheiros adaptados para pessoas com deficiência. Outra revelação foi que 37% dos centros não possuíam banheiros e nem pias para a higienização das mãos dos profissionais.

A fiscalização constatou que 93% dos CAPS têm farmácias e zero por centro deles não tinham o E-SUS, que é o prontuário eletrônico. Pelo levantamento, 27% dos CAPS tem apoios religiosos e recebem equipes dos Alcoólicos Anônimos e Narcóticos.
Existem atividades terapêuticas como pintura, colagem, artes plásticas, hortas, jardinagem, além de teatro, música e atividade esportiva.

As equipes de fiscalização do CRM-PI apontam ainda que os médicos atendem em média por mês 198,5 pacientes, o que seria um bom número se houvesse atendimentos todos os dias, porém boa quantidade dos CAPS vistoriados apresenta apenas um atendimento semanal, gerando então uma média entre 40 a 50 consultas por dia, o que daria um tempo médio de 9 a 10 minutos de atendimento médico/paciente. O mínimo de tempo para um atendimento clínico recomendado pelo Conselho Federal de Medicina é de 15 minutos. Para atendimentos psiquiátricos, dependendo de cada caso, recomenda-se um atendimento de pelo menos 30 minutos.

Quanto à estrutura física dos centros, havia disponível a informação de que apenas 04 eram de propriedade do município e em 40 deles eram utilizados imóveis alugados. Isso gerou uma situação de inadequação de espaços em boa parte dos CAPS visitados, pois pelo Manual de Estrutura Física dos Centro de Atenção Psicossocial todos eles devem conter recepção, salas de atendimento individualizado (consultas, terapias, entrevistas, orientações), salas de atividades coletivas, espaço de convivência, sala de aplicação de medicação e posto de enfermagem, quarto coletivo para com acomodações individuais, quarto de plantão, sala administrativa, sala de reunião, sala para arquivo, almoxarifado, refeitório, cozinha, banheiro com vestiário para funcionários, rouparia, depósito para material de limpeza (DML), abrigo para recipientes de lixo e externo para resíduos sólidos, área externa para convivência, banheiros com chuveiro e com sanitário adaptado para pessoas com deficiência.

Para o médico fiscal do CRM-PI, Dr. Juarez Holanda, fica praticamente impossível, pela quantidade de ambientes exigidos, as casas e pontos comerciais alugados comportarem todos os espaços exigidos, de forma que há acúmulo de ambientes em um mesmo local. Além disso, outro fato grave é que os contratos entre médicos psiquiatras e prefeituras é precário. A maioria não tem carteira assinada e nem jornadas de trabalho estabelecidas, como a de 20 ou 40 horas semanais. Outra irregularidade apontada no relatório é que dos 224 municípios piauienses, somente 50 possuem CAPS. “Para um estado com uma população de 3,1 milhões de habitantes, certamente que a população que precisa de tratamento e atendimento adequado não está sendo assistida pelos municípios”, concluiu Juarez Holanda.

A média de pacientes atendidos em oito CAPS I foi de 2090,25. Quanto aos CAPS II, os dados são em apenas dois dos visitados, obtendo uma média muito semelhante de acompanhamento, cerca de 2000 pacientes. Um dos principais motivos vistos para um número tão alto de pacientes cadastrados, além é claro das enfermidades psiquiátricas, é que em várias cidades a distribuição de medicamentos controlados, inclusive os anticonvulsivantes, só é feita no CAPS, aumentando a demanda por algo que pode ser resolvido também em Postos de Saúde da Família (PSF).

A presidente do CRM-PI, Drª Mírian Palha Dias Parente, disse que “é preciso uma intervenção do Estado e dos órgãos de fiscalização junto aos municípios e é preciso que os prefeitos, juntamente com as Secretarias Municipais de Saúde, ampliem as políticas públicas e, consequentemente, os investimentos para o tratamento adequado da população que sofre com transtornos mentais e também que ofereçam adequadas condições de trabalho e contratos dignos para os médicos e demais profissionais de saúde”.

Na conclusão do relatório após um ano de fiscalização em todos os CAPS do Piauí, o CRM-PI considerou como um dos principais entraves para maior resolutividade dos CAPS a questão estrutural. Por utilizar imóveis alugados criados para outros fins que não atendimento para saúde, como casas domiciliares, há falta de espaço para que exista todos os ambientes que são necessários ao funcionamento adequado do CAPS. Outro problema observado é que há um erro no modo como o tipo dos Centros de Atenção Psicossocial são determinados para os municípios. Ao se utilizar unicamente da população global de uma área e não levar em conta o número de pacientes que se tornam pacientes do CAPS, cria-se uma demanda que o local pode não suportar. Houve cidades que aproximadamente um terço da população tinha prontuário no CAPS local de forma que não era possível fazer um acompanhamento adequado de todos os pacientes.

O resultado da vistoria foi encaminhado para o Conselho Federal de Medicina, Associação Piauiense de Municípios – APPM, Conselho de Secretários Municipais de – COSEMS Saúde e Secretaria de Saúde do Estado – Sesapi.

Fonte: Ascom/CRM-PI

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias do Piauí

Decreto fecha os acessos ao Delta do Parnaíba devido a Covid

Publicado

em

A prefeitura de Ilha Grande do Piauí, região Norte do Estado, decretou nesta quinta-feira (11) a proibição de passeios turísticos ao Delta do Parnaíba, durante o final de semana dos dias 13 e 14 de março. As medidas são uma prevenção ao contágio e controle da nova onda de Covid-19. O município teve um aumento considerável no número de óbitos por conta da doença.

O decreto, assinado pela prefeita Marina de Oliveira Brito, passa a valer a partir desta sexta-feira, 12, e segue até 22 de março. Também fica suspensa a atracação de embarcações de outros municípios no Porto dos Tatus, neste final de semana.

Além disso, está proibida a realização de eventos com aglomerações sejam eles em ruas, casas de festas, bares, restaurantes, clubes, quiosques, por iniciativa pública ou privada. Caso alguma dessas restrições seja desobedecida, haverá aplicação de multa.

No decreto, a prefeita justifica que o município não tem porta de entrada para urgência e emergência, nem conta com leitos 24 horas. Os pacientes que precisam são encaminhados para o Hospital Estadual do Dirceu, em Parnaíba, que hoje encontra-se com 90% dos leitos ocupados.

Decreto ilha Grande (1).pdf

Da Redação

Continue lendo

Notícias do Piauí

Piauí recebe mais 36 mil doses da vacina Coronavac

Publicado

em

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) recebe, na tarde desta quarta-feira (10), mais um lote de vacinas Coronavac para imunização contra a Covid-19. Desta vez, os imunizantes vão possibilitar o início da vacinação do grupo de pessoas entre 75 e 79 anos e dar continuidade ao grupo dos trabalhadores da saúde e o de indivíduos entre 80 e 84 anos. O lote é de 36 mil doses.

Esta nova remessa vai contemplar 1,5% dos trabalhadores de saúde; 30% das pessoas de 80 a 84 anos e 13% das pessoas de 75 a 79 anos acamadas. O Ministério da Saúde enviou a primeira e segunda dose da vacina. Com este novo lote, o Piauí imuniza 70% do público de 80 a 84 anos e 82,8% dos trabalhadores da saúde.

Segundo o secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto, esta etapa é mais um passo na luta contra o coronavírus, mas ele ressalta a importância da colaboração de todos os piauienses na prevenção, enquanto não há vacina para todos. “Vamos vencer o vírus, mas vale lembrar que devemos continuar com os cuidados usando máscara e mantendo o distanciamento porque a pandemia ainda não acabou”, lembrou o gestor.

No Piauí, 123.075 pessoas já receberam a vacina contra a Covid-19, desse total, 96.440 foram imunizados com a primeira dose e 26.633 com a segunda. A vacinação dos piauienses pode ser acompanhada através do Vacinômetro na página da Sesapi www.saude.pi.gov.br .

Com informações da CCOM

Continue lendo

Cidades

Caso Izadora Mourão: irmão da vítima é preso em Pedro II

Irmão de Izadora Mourão é preso pela Polícia como principal suspeito do assassinato da advogada em Pedro II.

Publicado

em

Por

Uma reviravolta no caso do assassinato da advogada Izadora Mourão. A Polícia Civil prendeu o irmão da vítima, o também bacharel em direito e jornalista João Paulo Santos. Morta a facada dentro de sua casa no município de Pedro II no último sábado, o crime chocou a cidade ao Norte do Piauí. O irmão, agora preso pela polícia, chegou a dar entrevistas a portais de notícias da cidade.

Entenda a prisão de João Paulo Santos, irmão de Izadora Mourão

João Paulo Santos irmão de Izadora Mourão foi preso nesta segunda (15), dois dias após o assassinato da irmã. Segundo informações da Polícia Civil, a perícia comprovou que João Paulo estaria presente na cena do crime de Izadora Mourão. Foi o irmão dela que prestou as primeiras declarações de que uma terceira pessoa havia entrado na casa, uma mulher, e pedido para falar com Izadora Mourão. As suspeitas iniciais são de que havia uma disputa por herança. A polícia encontrou uma faca com sinais de sangue dentro da casa.

João Paulo Santos foi encaminhado para central de flangrantes em Teresina.

João Paulo Santos, irmão de Izadora Mourão, é preso em Pedro II
Portal Opala News flagrou o momento que policiais prendiam João Paulo Santos, irmão da advogada Izadora Mourão

As informações são do Portal OpalaNews

Irmão de Izadora Mourão deu entrevista sobre o crime

No dia do assassinato o irmão de Izadora deu entrevista sobre o crime. O vídeo foi publicado em vários meios de comunicação. O portal 180graus fez uma matéria com o relato. João Paulo Santos, irmão de Izadora Mourão declarou:

“A minha irmã já estava sem sentido, desfalecida, havia caído da cama, o sangue escorrendo pelo pescoço, aí minha mãe rapidamente ligou para uma amiga nossa para tentar socorrer, mas ela não tinha sinais vitais. Tudo leva a crer que foi uma morte pensada, friamente calculada, premeditada, porque não dá para admitir um crime brutal desse numa cidade pacata como Pedro II. Como ela atuava na advocacia criminal, ela corria riscos. O que a gente sabe por alto, não podemos afirmar, é que há o crime organizado na região”

João Paulo Santos, irmão de Izadora Mourão, foi preso nesta segunda-feira (15) em Pedro II

Veja o vídeo onde João Paulo Santos, irmão de Izadora, fala sobre o crime:

Delegado diz ao Portal Cidade Verde que irmão é o autor do assassinato de Izadora Mourão

O portal Cidade Verde publicou uma nota com declaração do delegado Francisco Bareta de que o irmão de Izadora Mourão seria mesmo o autor do assassinato: “O delegado está fazendo as diligências. Ainda está dentro do flagrante, mas de fato o irmão dela foi preso e é o autor”, disse Bareta. Francisco Bareta é coordenador do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O delegado Danúbio Dias é p responsável pelas diligências no município de Pedro II e pela prisão de João Paulo Santos. A ele coube a tarefa de elucidar o crime que chocou o Piauí.

Izabela Mourão foi morta com 7 golpes de faca. Agora, o principal suspeito é seu irmão, João Paulo Santos, preso no final da tarde desta segunda-feira(15) em Pedro II.

Continue lendo

Popular