Conecte-se conosco

    Internacional

    Em encontro com Biden, Lula pede nova governança mundial por clima

    Publicado

    em

    Em encontro com Biden, Lula pede nova governança mundial por clima

    No encontro com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta sexta-feira (10) que os países precisam se organizar em uma nova governança global “mais forte” para que decisões sobre o clima tomadas em níveis internacionais sejam cumpridas.

    O presidente brasileiro defendeu também que os 2 países trabalhem juntos na defesa da democracia para que episódios como a invasão do Capitólio, nos Estados Unidos, e das sedes dos Três Poderes, no Brasil, não se repitam. “Esteja certo que os Estados Unidos e o resto do mundo podem contar com o Brasil na luta pela democracia e pela preservação ambiental”, disse.

    Lula chegou à Casa Branca às 15h50 (horário local) acompanhado da primeira-dama, Janja Lula da Silva. O casal foi recebido no jardim sul por Biden. A primeira-dama americana, Jill Biden, que também estaria na recepção, está gripada e, por isso, não compareceu.

    Os presidentes então se dirigiram ao Salão Oval da Casa Branca, onde falaram por cerca de 12 minutos. Jornalistas brasileiros e americanos puderam acompanhar as declarações.

    Depois, os 2 estiveram reunidos reservadamente por quase uma hora. Em seguida, o encontro foi aberto aos ministros que acompanham a comitiva brasileira.

    Em sua fala, Lula disse que o Brasil levará a questão do clima “muito a sério”.

    “É preciso que a gente estabeleça nova conversa para construir uma governança mundial mais forte. Se não tiver governança global forte, que tome decisões que todos os países sejam obrigados a cumprir, não vai dar certo”, disse Lula.

    Biden destacou que os valores comuns e fortes laços entre os 2 países tornam Brasil e Estados Unidos “parceiros naturais para enfrentar os desafios globais atuais e especialmente as mudanças climáticas”. Durante a sua fala, o americano leu alguns trechos.

    Ele disse também não saber qual é o melhor fórum para esse tipo de discussão, como o G20 ou a ONU (Organização das Nações Unidas), mas afirmou que é preciso agregar também os Legislativos dos países empresários para que as decisões conjuntas tomadas pelos governos sejam acatadas. “Se isso não acontecer, nossa discussão sobre a questão climática ficará muito prejudicada”, disse.

    Lula voltou a prometer que haverá desmatamento zero na Amazônia até 2030 e criticou a política ambiental do seu antecessor, Jair Bolsonaro (PL). Neste momento, Biden fez uma figa com os dedos, em sinal de “sorte”.

    “Nos últimos anos, a Amazônia foi invadida pela irracionalidade política e humana, porque tivemos um presidente que mandava desmatar, que mandava garimpo em áreas indígenas, mandava garimpar nas florestas que demarcávamos como reserva na Amazônia”, disse.

    Defesa da Democracia
    Em sua fala inicial, Lula afirmou que os 2 países têm “alguns problemas para trabalhar juntos” para “nunca mais permitir que haja um novo capítulo do Capitólio e nunca mais haja o que aconteceu no Brasil, uma invasão do Congresso Nacional, do Palácio do presidente e da Suprema Corte”.

    Biden, por sua vez, afirmou que o Brasil e os Estados Unidos têm democracias fortes e que foram “duramente” testadas. “Em ambos os casos, a democracia prevaleceu”, disse.

    “Somos as duas maiores democracias do hemisfério e Brasil e Estados Unidos se unem para rejeitar a violência política e os ataques às nossas instituições. Eu acredito que, como te falei, que devemos continuar a defender juntos os valores democráticos que constituem o núcleo da nossa força não só no nosso hemisfério, mas no mundo”, afirmou o norte-americano.

    Também defendeu que os países trabalhem conjuntamente para combater a desigualdade e a discriminação racial: “De vez em quando vejo ser praticada em todos os países, no Estados Unidos e no Brasil. Sobretudo dos negros nas periferias, que muitas vezes são vítimas da incapacidade do Estado porque a violência que existe na periferia é a ausência do estado com políticas públicas para garantir sonhos à juventude”.

    Visita à Casa Branca
    Também estavam presentes no evento o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Mauro Vieira, e o assessor especial da Presidência, Celso Amorim. No lado norte-americano, compareceram os seguintes nomes:

    Antony Blinken, secretário de Estado;
    Janet Yellen, secretária do Tesouro;
    Lloyd Austin, secretário de Defesa;
    Deb Haaland, secretária do Interior;
    Gina Raimondo, secretária do Comércio;
    Jake Sullivan, conselheiro de Segurança Nacional;
    Elizabeth Bagley, embaixadora dos EUA no Brasil;
    John Kerry, enviado especial presidencial para o Clima;
    Chris Dodd, enviado especial presidencial para as Américas;
    Juan Gonzalez, diretor sênior para o Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca.

    Fonte: Poder360
    Foto: Reprodução

    Propaganda
    Clique para comentar

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Propaganda

    Banca de Jornal

    Propaganda

    Popular