O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI da Equatorial, deputado Evaldo Gomes (Solidariedade), apresentou requerimenton nesta quinta-feira (29), solicitando a prorrogação da comissão, por mais 60 dias, a fim de concluir o relatório final. A CPI foi instalada no dia 03 de abril deste ano para apurar a má prestação de serviços pela Equatorial Piauí.

“Ressalte-se que essas falhas no fornecimento de energia elétrica ensejam relevantes prejuízos a diversos setores da economia, que vão desde matérias-primas e suprimentos perdidos, até problemas com armazenamento. Na zona rural, a ausência de continuidade da energia impede o abastecimento de localidades carentes com água de poço”, ressalta Evaldo Gomes.

Segundo o Regimento Interno da Assembleia, a CPI pode atuar no prazo de 120 dias, prazo prorrogável por até metade, ou seja, mais 60 dias, mediante aprovação do Plenário para conclusão dos seus trabalhos. Na quarta-feira (27), a Comissão ouviu o diretor-presidente da distribuidora de energia no Piauí, Hélio Rafael, que fez um comparativo entre o que a Equatorial recebeu da Eletrobras após a privatização e o estágio atual, argumentando que a empresa investiu cerca de R$ 2 bilhões em subestações, redes, estruturas de distribuição, frotas de veículos, canais de atendimento e políticas sociais.

Da Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *