Com o fim do período chuvoso e proximidade do período mais seco do ano, a Secretaria de Estado da Defesa Civil (Sedec) alerta para uma forte seca e baixa umidade em algumas regiões do Piauí.

De acordo com o assessor técnico da Sedec, o climatologista Werton Costa, os próximos meses serão de muito sol com a chegada do fenômeno El Niño.

“Essa ocorrência caracteriza-se pelo aquecimento anormal das águas superficiais do oceano Pacífico tropical, impactando significativamente o clima global ”, diz o profissional.

No Brasil, especificamente nas regiões norte e nordeste, o alerta é para uma seca severa.

“Embora seja um fenômeno que ocorra a uma distância considerável do Piauí, ele tem o papel de inverter o movimento das correntes de ar que transportam a umidade do ar para o interior. Isso faz com que as temperaturas se elevem sobre o estado”, explica Werton.

O climatologista chama a atenção, ainda, para a possível redução da umidade relativa do ar, componente fundamental para a salubridade e saúde das pessoas.

“A redução das chuvas nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro prejudica a manutenção dos volumes dos reservatórios de água, açudes e barragens, impactando a agricultura e, consequentemente, o abastecimento e manutenção das populações sertanejas”, conta Costa.

Outro fator que requer alerta no período do El Niño, segundo o técnico, é o aumento de focos de calor e queimadas. “A medida que a estiagem avança, a condição de secura e aridez, nós observamos um padrão de inflamabilidade que cresce, potencializando a ocorrência de incêndios e queimadas”, diz o assessor da Sedec.

Nesse sentido, a Secretaria de Estado da Defesa Civil segue monitorando a chegada do fenômeno e tomando as devidas providências a fim de minimizar os impactos. “Devemos manter o estado de alerta máximo para mobilizar equipes e manter uma política de regularidade no fornecimento do ativo essencial para manutenção das populações, a água”, ressalta Werton.

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM), a previsão é de que o El Niño se desenvolva entre os meses de julho e setembro deste ano, elevando as temperaturas a novos recordes de calor.

Fonte: CCom
Foto: Divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *