Conecte-se conosco

Cotidiano

Dario Messer diz que entregava dólares aos Marinho, aponta revista

Publicado

em

Em delação ao Ministério Público na última quarta-feira (12), o doleiro Dario Messer teria dito que, durante a década de 90, entregava com frequência quantias entre US$ 50 mil e US$ 300 mil a integrantes da família Marinho, revelou hoje o site da revista Veja. Durante a edição de hoje do Jornal Nacional, a Globo negou as acusações.

Segundo o veículo, essas entregas aconteceriam duas ou três vezes ao mês, na sede da Rede Globo, no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro. O dinheiro seria destinado a Irineu Roberto Marinho e José Roberto Marinho.

O doleiro, no entanto, teria dito que nunca se encontrou com integrantes da família Marinho e não teria apresentado provas dos fatos.

“A respeito de notícias divulgadas sobre a delação de Dario Messer, esclarecemos que Roberto Irineu Marinho e João Roberto Marinho não têm e nunca tiveram contas não declaradas às autoridades brasileiras no exterior. Da mesma forma, nunca realizaram operações não declaradas às autoridades brasileiras”, diz a nota da família Marinho, lida ao vivo pelo apresentador William Bonner.

O doleiro, no entanto, teria dito que nunca se encontrou com integrantes da família Marinho e não teria apresentado provas dos fatos.

“A respeito de notícias divulgadas sobre a delação de Dario Messer, esclarecemos que Roberto Irineu Marinho e João Roberto Marinho não têm e nunca tiveram contas não declaradas às autoridades brasileiras no exterior. Da mesma forma, nunca realizaram operações não declaradas às autoridades brasileiras”, diz a nota da família Marinho, lida ao vivo pelo apresentador William Bonner.

Segundo a reportagem, Messer contou ter começado a fazer negócios com os Marinho por intermédio de Celso Barizon, supostamente gerente da conta da família no banco Safra de Nova York.

“Doleiro dos doleiros”
O nome de Messer ganhou notoriedade com a descoberta de esquemas criminosos liderados por Sérgio Cabral (MDB-RJ), preso pela Lava Jato desde 2016 e condenado a mais de 280 ano de prisão.

Procuradores da Lava Jato dizem acreditar que as informações e provas oferecidas por Dario Messer, conhecido como o “Doleiro dos Doleiros”, em sua delação tenham potencial para identificar autoridades envolvidas em atos de corrupção.

Messer revelou ao MPF-RJ (Ministério Público Federal do Rio de Janeiro) informações sobre uma rede de doleiros. Isso porque, segundo o procurador Almir Teubl Sanches, da força-tarefa da Lava Jato no Rio, o círculo de relacionamentos desses operadores costuma envolver prioritariamente outros doleiros. Segundo o procurador, as investigações desdobradas a partir disso podem levar a nomes com foro privilegiado.

“Vamos pegar o caso do [ex-governador do Rio] Sérgio Cabral como exemplo. Ele não ligava para o Messer e dizia: ‘Preciso mandar dinheiro para o exterior’. Ele tinha pessoas de confiança [os irmãos Marcelo e Renato Chebar] que eram acionadas e passaram a usar o sistema do Dario Messer. Talvez, Messer nem soubesse que aquele dinheiro era do Cabral. Investigaremos para quem essas pessoas [delatadas por Messer] atuavam. Por isso é difícil mensurar o alcance dessa colaboração”, afirma o procurador.

Em depoimento, ele afirmou ter emprestado US$ 13 milhões ao ex-presidente paraguaio Horácio Cartes e admitiu ter sido o principal beneficiário da mesa de câmbio paralelo operada no Uruguai pelos também doleiros Claudio Barboza, o Tony, e Vinicius Claret, o Juca Bala — ambos também colaboradores da Lava Jato.

Fonte: Folhapress
Foto: Reprodução/Polícia Civil

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cotidiano

Confira o que abre e fecha na quinta e na sexta-feira em Teresina

Publicado

em

Governo do estado e Prefeitura de Teresina emitiram decreto com medidas que passam a valer nesta quinta-feira (18), mas com discordâncias em medidas restritivas. O decreto estadual começa a entrar em vigor hoje (18) e antecipou o feriado de 19 de outubro, Dia do Piauí, para 18 de março. Já decreto municipal autoriza a abertura das atividades comerciais na sexta-feira (19).

Nesta quinta (18), o comércio e repartições públicas não funcionam no Estado. Somente os serviços essenciais devem funcionar nesta quinta-feira, atendendo a um decreto estadual que antecipou o feriado de 19 de outubro, Dia do Piauí, para 18 de março.

Na sexta-feira (19), comércio e repartições públicas continuam fechados em todo o Estado, exceto em Teresina. O decreto estadual de 15 de março, estabelece lockdown do dia 18 ao dia 21. Neste período, funcionam apenas os serviços essenciais.

O prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, assinou decreto municipalque autoriza o funcionamento do comércio nesta sexta-feira (19).

De acordo com o decreto da Prefeitura de Teresina, o comércio em geral pode funcionar por até nove horas diárias, devendo cada estabelecimento informar à Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas (SAAD) de sua região o horário de funcionamento.

Conforme o decreto municipal, os shoppings centers poderão funcionar para atendimento ao público, de 12 às 20h, na próxima sexta-feira (19).

Quinta-feira (18)
Feriado estadual – nada funciona em todo o Piauí, exceto os serviços essenciais

Sexta-feira (19)
Lockdown – nada funciona em todo o Piauí, exceto os serviços essenciais

Sexta-feira (19)
Autorizado funcionamento do comércio e repartições públicas municipais em Teresina, por até nove horas, incluindo os shoppings, das 12h às 20h

Da Redação

Continue lendo

Cotidiano

Músico participa bate papo com crianças e adolescentes de projeto popular

Publicado

em

Com 11 anos de idade, Flaubert Viana começou a dar os primeiros passos no ramo musical, isso com os ensinamentos obtidos na antiga Banda de Música do bairro Lourival Parente, na zona sul de Teresina, banda que fazia parte do Projeto Banda Escola, até hoje mantido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC).

O bate papo virtual com o músico Flaubert Viana acontecerá de forma gratuita, na próxima sexta-feira (19/03). Segundo o organizador, crianças e adolescentes de outras bandas do projeto também terão acesso a novas rodas de bate papo com ex alunos.

Hoje, com 36 anos e morando no Estado do Ceará, ele é saxofonista, flautista, arranjador, produtor cultural e técnico de gravações. Também tem trabalhos com diversos artistas de renome nacional, como, por exemplo, Solange Almeida, além de trabalhos em grandes emissoras de televisão.

Desta vez ele volta ao projeto de forma virtual, onde terá uma roda de conversa online com alunos da Banda Heitor Vilas Lobos, projeto da Banda Escola que atende cerca de 45 crianças e adolescentes do bairro Piçarreira, na zona leste da capital. O músico fala com alegria sobre as lições aprendidas com os maestros  Simplício Cunha e Lima Cunha.

“Comecei ainda criança e sai de lá um homem preparado para o mercado de trabalho e por isso me sinto honrado em ter essa conversa com essas crianças e adolescentes. Irei compartilhar com eles minhas experiências profissionais e a maneira  como o projeto me ajudou a não entrar no mundo da criminalidade”, comenta Flaubert Viana, que já está de malas prontas para uma nova jornada profissional no Estado do Pernambuco.

A Banda Heitor Vilas Lobos é regida pelo Maestro Micael Fideles. Ele conta que essa iniciativa nasceu da ideia de compartilhar com as crianças e jovens as experiências de quem já passou pelo projeto e que hoje vive da música.

“Hoje o mercado musical conta com muitos profissionais oriundos do Projeto Banda Escola, por isso no início do ano iniciamos esse projeto de troca de experiências para que nossos alunos se sintam mais motivados a continuarem nas aulas”, diz Micael Fideles, enfatizando ainda que, com o aumento da criminalidade, a cada dia que passa está mais difícil tirar os jovens do caminho da criminalidade.

Fonte: Ascom/PMT

Continue lendo

Cotidiano

APL pede tombamento do prédio do Meduna

Publicado

em

A Academia Piauiense de Letras (APL) solicitou ao prefeito de Teresina, José Pessoa Leal (Dr. Pessoa), o tombamento do prédio que abrigou o Hospital Meduna, no bairro Cabral, zona Norte da capital.

A solicitação foi motivada pelo recente noticiário dando conta de que o imóvel seria demolido. O assunto foi discutido em três sessões da Academia. A posição da APL foi aprovada por unanimidade.

No ofício encaminhado ao prefeito, com data de 1º deste mês, o presidente da APL, Zózimo Tavares, destaca que o remanescente da antiga edificação do Meduna, inaugurada em 1954, é dotada de valor histórico, merecendo proteção.

“Não há dúvidas de que o Sanatório Meduna, pelo seu passado, desperta o interesse público, por se tratar de instituição que prestou serviços relevantes à comunidade local por mais de mais 50 anos, constituindo, de tal modo, parte da história de Teresina”, assinala.

A previsão de tombamento dos bens representativos do patrimônio cultural, artístico e arquitetônico, do Município de Teresina, é matéria disciplinada na Lei de Tombamento (n.º 3.602 de 27.12.2006).

Com informações da APL

Continue lendo

Popular