O Brasil registrou nesta segunda-feira (7) 431 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 632.720 óbitos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias é de 765. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +131%, indicando tendência de alta nos óbitos decorrentes da doença.

São agora 20 dias seguidos com tendência de alta apontando mais de +100% nesse comparativo. Além disso, vale apontar que apenas uma unidade federativa não se encontra em tendência de alta nas mortes por Covid em todo o país. É o Amapá, que está em estabilidade.

Brasil, 7 de fevereiro
Total de mortes: 632.720
Registro de mortes em 24 horas: 431
Média de mortes nos últimos 7 dias: 765 por dia (variação em 14 dias: +131%)
Total de casos conhecidos confirmados: 26.605.137
Registro de casos conhecidos confirmados em 24 horas: 68.540
Média de novos casos nos últimos 7 dias: 164.433 por dia (variação em 14 dias: +3%)

A média móvel de vítimas da doença atinge agora um patamar 4 vezes maior do que estava às vésperas do ataque hacker que gerou problemas nos registros em todo o Brasil, ocorrido na madrugada entre 9 e 10 de dezembro. Na época, essa média indicava 183 mortos por Covid a cada dia.

Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Curva de mortes nos estados
Em alta (25 estados e o DF): AC, PE, PB, RJ, MG, DF, SE, ES, PI, RN, AL, MS, PR, PA, RR, RS, BA, CE, MT, GO, MA, TO, RO, SC, SP, AM
Em estabilidade (apenas 1 estado): AP
Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo g1 para analisar as tendências da pandemia).

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os números de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados. Já a variação percentual para calcular a tendência (alta, estabilidade ou queda) leva em conta os números não arredondados.

Fonte: globo.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *