Conecte-se conosco

Artigos

Artigo – O tiro saiu pela culatra?

Publicado

em

O “tiro” da CPI da pandemia saiu pela culatra? Primeiro vejamos o sentido etimológico da frase o tiro saiu pela culatra. Popularmente, o tiro saiu pela culatra significa quando acontece algo que é o contrário do que se esperava acontecer; quando se tem uma intenção de fazer uma coisa e o oposto ocorre. Informações públicas dão conta de que uma arma de fogo é um artefato que lança um ou muitos projéteis em alta velocidade através da queima de um propelente confinado. Este processo de queima subsônica é tecnicamente conhecido como deflagração, em oposição a combustão supersônica conhecida como detonação. Em armas de fogo mais antigas, o propulsor era tipicamente a pólvora ou a cordite. Armas de fogo modernas usam a pólvora sem fumaça ou outros propelentes. CPI não é mais uma “arma moderna”? Certo mesmo é que o tiro saiu pela culatra é uma expressão muito utilizada para dizer que algo ocorreu de maneira contrária ao esperado. O povão gosta de pessoas honestas; a CPI da pandemia não está investigando corrupção e muito menos está tendo o “real direito” do contraditório? Tiro pela culatra?

Você já viu espingardas de carregar pela “boca” do cano? Informações públicas também dão conta de que o processo de carregamento seguia as seguintes etapas: colocava-se a pólvora, depois os chumbos e em seguida a bucha. Socava-se a bucha com a vareta, conferindo a profundidade da penetração a cada movimento. Somente depois é que se colocava a espoleta no ouvido (na base do cano) – onde o “cão” iria percutir e causar a centelha. Às vezes, na pressa, os caçadores erravam a ordem do carregamento, colocando primeiro o chumbo, depois a pólvora… Daí, quando a centelha chegava à pólvora, a explosão forçava a chumbada para trás, na culatra. E o tiro, em vez de sair para frente, saía para trás (pela culatra), em direção ao rosto do atirador, que estava fazendo a mira com o rosto perto da base do cano. Sabia que esse erro causava um bom dano? Daí se dizer que “o tiro saiu pela culatra” quando uma pessoa tende a fazer algo contra outra e o mal volta contra ela. Quem são as “buchas” que estão fazendo de tudo pra desestruturar o governo federal? Raposas podem cuidar de galinheiros? O tiro realmente está saindo pela culatra?

De acordo com o Estadão conteúdo, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse no Rio de Janeiro, que tem “tranquilidade absoluta” sobre o fato de passar de testemunha a investigado pela CPI da Covid. “Não estou interessado nesse assunto, estou interessado em vacinar a população brasileira. A população brasileira já está vendo o que eu estou fazendo. Tranquilidade absoluta, não tem preocupação com isso”, disse o ministro, ao ser questionado sobre a decisão anunciada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI. Queiroga deu as declarações ao sair de uma clínica na região central do Rio de Janeiro onde participou de um evento de liberação de recursos para ampliação do programa “Consultório na Rua”, que atende pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Tá vendo! Estão sentindo o clima de um tiro que saiu pela culatra? O Brasil mudou e não perceberam ainda que “extorsão e chantagens” não funcionam no governo de Jair Messias Bolsonaro? O Brasil deve continuar construindo estradas, pontes, e consolidando uma política para os brasileiros e não para “grupos usurpadores”? O que pensa o povão sobre “tiros” disparados cotidianamente contra o governo federal? Gostamos de Honestos!

Josenildo Melo foi estudante de Direito. Concludente de Filosofia. Bacharel em Serviço Social e Jornalista

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Banca de Jornal

Propaganda