Conecte-se conosco

    Artigos

    Mercado Religioso – Um dos mais perigosos do mundo?

    Publicado

    em

    Um dos mais perigosos do Mundo! Mexe com a cabeça dos fiéis. E movimenta realmente muito dinheiro. Como funciona a cabeça de uma pessoa que se aproveita da fé das pessoas? Pragmaticamente. Eles não gastam com nosso mercado, mas gastam com o mercado dos prazeres mundanos; é assim que pensa a cabeça dos mercadores da fé? Psicologicamente que mundo triste deve ser esse; o dos mercadores da fé. E a medida do ter nunca enche! Mas é somente com os explícitos? O mais perigoso mercado da fé talvez seja o dos discretos e reservados. Agem pregando a palavra de Deus e gostam realmente de amizades é com os mais ricos e abastardos. O fiel pobre é apenas um mero “peão no seu jogo” da fé cotidianamente? São lobos em peles de cordeiros. Atenção: muito cuidado com o mercado religioso. Causa de fato prejuízos!

    O que movimenta o mercado religioso? Gráficas, editoras, escritores, editores, artesãos, etc… movimenta realmente muito dinheiro. E gera empregos? Somente pra todos aqueles que estão em volta “da sacristia”. O mercado religioso movimenta até mesmo a alta costura. Inúmeras fábricas de familiares são movimentadas. É uma verdadeira indústria a venda de camisas, camisetas, material subliminar de “propaganda”. E está em todas as religiões? O mercado religioso é suporte pra toda religião? É a força motriz de um sistema em plena ascensão. O mercado religioso é um negócio que nunca para de crescer. Isso tudo é porque muitos fiéis não são de fato fiéis no dízimo. Dízimo não é algo que deve ser aleatório, mas um construtor de fidelidade!

    Em paróquias que possuem dízimo estruturado existe até mesmo + vocações? Não necessariamente. No entanto é um fator de despreocupação material ao sacerdote. Igreja que possui dizimistas fiéis existe pouca pidança! O “tormento psicológico” a todos aqueles que se dirigem à Igreja é bem menor? O sacerdote vai está concentrado nas coisas espirituais! Mas os malandros não aproveitam pra pedir cada vez mais? Malandro é malandro e Mané é Mané já diz um tradicional samba carioca. No meio de homens de bem existem sempre inescrupulosos e aqueles que se aproveitam de tudo?

    O Mercado Religioso chegou aos meios de comunicação social? Ficou expositivo e “virou moda pedir” a cada quinze minutos? É uma pidança insuportável; muitos já desistiram de assistir a estes canais! Sem falar no “calote” em que estão submetidos todos aqueles que contribuem via boleto? Chegou ao ponto do fiel não saber “onde depositar a sua fé”? O grande dilema é persistente; toda pessoa trabalha e “os homens do sagrado teimam em não” quererem trabalhar? Nem todos! Os Jesuítas pagam salários a seus membros e tudo é colocado em comum em suas comunidades. A Arquidiocese de Belo Horizonte é conhecida por possuir colégios e hospitais e não vive em uma eterna mendicância. Atenção: muito cuidado com o danado Mercado Religioso!

    Somos do tipo que acreditamos que gestão faz parte também do mundo religioso. Cada Igreja merece bons gestores! Cada paróquia precisa ter seus investimentos e não depender apenas de dinheiro dos fiéis. Mas os Cristãos primitivos não tinham tudo em comum e dividiam seus bens com alegria? Estamos no século 21!

    Por Josenildo Melo

    Propaganda
    Clique para comentar

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Propaganda

    Banca de Jornal

    Propaganda

    Popular