Conecte-se conosco

Cotidiano

Mais 33 servidores do Inep pedem demissão; 29 são ligados ao Enem

Publicado

em

Mais 33 servidores do Inep pedem demissão; 29 são ligados ao Enem

Mais 33 servidores do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) pediram exoneração de seus cargos hoje (8). Desses, 29 trabalham em áreas ligadas ao Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) —que acontece no fim de novembro— e 22 são coordenadores.

Os pedidos de demissão acontecem de forma coletiva e, segundo o UOL apurou, como uma medida para pressionar a saída do atual presidente do órgão, Danilo Dupas. O Inep é ligado ao MEC (Ministério da Educação) e é responsável pelo Enem e por outros estudos e avaliações da educação.

“Cabe esclarecer que os servidores colocaram à disposição os cargos em comissão ou funções comissionadas das quais são titulares, mas que continuam à disposição para exercer as atribuições dos cargos até o momento da publicação do ato no Diário Oficial da União”, diz o texto enviado à reportagem.

Enem será aplicado nos dias 21 e 28 de novembro
Na semana passada o UOL noticiou o pedido de demissão de Eduardo Carvalho Sousa, coordenador de Exames para Certificação, e Hélio Júnio Rocha Morais, coordenador da Logística de Aplicação —ambos com cargos ligados à organização do Enem.

A prova está pronta e será aplicada em 21 e 28 de novembro. Mas apesar de o MEC garantir que o exame não será afetado, as mudanças podem atrapalhar os processos que acontecem após aplicação e o cronograma para a edição de 2022, que deveria começar a ser feito nas próximas semanas.

Além disso, a lista de demissões de hoje inclui responsáveis pela fiscalização do cumprimento do contrato do Enem nos dias de aplicação. Há funcionários também que cuidavam do recebimento da base de dados que servirá para divulgar as notas dos participantes.

Fonte: Folhapress

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Banca de Jornal

Propaganda