Conecte-se conosco

Brasil

Ato de motociclistas com Bolsonaro reúne milhares em São Paulo

Publicado

em

Ato de motociclistas com Bolsonaro reúne milhares em São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou ao ponto inicial da motociata pelas ruas de São Paulo por volta das 9h45 deste sábado (12). Milhares de pessoas participam do ato, que tem percurso de 129 km.

Em vídeo transmitido em suas redes sociais, Bolsonaro aparece dialogando com policiais militares. O presidente abraçou um deles, que, segundo Bolsonaro, seria “quem mandava nessa bagunça”. Eles tiraram uma foto. Outros policiais também registraram a chegada do presidente com seus celulares.

Às 10h, a motociata em apoio a Bolsonaro começou, iniciado na região do Sambódromo, na zona norte, com encerramento previsto no parque do Ibirapuera, na zona sul. O trajeto previsto tem 129 quilômetros de extensão. Motos deixaram a região do Sambódromo das 10h às 10h50.

Motoqueiros e ciclistas com bandeiras do Brasil amarradas aos veículos, além de manifestantes a pé, se aglomeraram na avenida Santos Dumont para recepcionar o presidente.

Vestindo uma jaqueta de motociclista bordada com seu retrato e um capacete em que estava escrito “presidente Bolsonaro”, ele acenou para os manifestantes quando chegou e saiu de moto na avenida Santos Dumont com um segurança em sua garupa, seguido por centenas de motociclistas. Apoiadores a pé e de bicicleta se aglomeraram para ver o presidente, gritando “mito”.

“Pessoal, começando nosso passeio de motocicleta. Muito obrigado pelo convite, pela liberdade, pela democracia e por Deus”, disse Bolsonaro, antes de começar o trajeto, em transmissão em suas redes sociais. O filho do presidente, deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), participou do evento com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Durante uma parada no trajeto da motociata, Bolsonaro disse que o ato demonstra “força e união”.

Na quarta-feira (9), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que Bolsonaro e quem não usasse máscara no ato de rua seria multado. O presidente reagiu dizendo que o governador se achava “doninho” de São Paulo.

Apoiadores sem moto
A cabeleireira Cris Souza, 37, de Rondônia, tentou alugar uma moto para participar da manifestação, mas segundo ela, nenhuma locadora tinha motos disponíveis.

Mesmo sem a moto, que ficou em Rondônia, ela e o marido, Roberto Garcia, foram de carro apoiar a manifestação e ver de pertinho o “mito”.

“É a segunda vez que eu vejo ele, ele é maravilhoso, muito humilde. Eu toquei nele! Eu admiro muito esse homem, sinto que ele é enviado por Deus para ajudar a gente a sair dessa crise. Imagina se ele manda fechar tudo, eu como cabeleireira iria morrer de fome”, diz.

“Amo moto, a gente também é motoqueiro, tentamos alugar uma para participar da motociata mas não tinha mais”, contou.

Também houve críticas a opositores de Bolsonaro, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Lula nojento”, dizia Morgana Carré, 55, moradora da zona leste, com uma bandeira do Brasil estampada com o rosto do presidente.

“É Bolsonaro! O Brasil é nosso!”, celebrava ela, que tentou pegar carona com um dos motoqueiros, mas não conseguiu porque estava sem capacete. “Foi lindo de qualquer jeito. Vim para prestigiar o nosso presidente, o Brasil é nosso”.
Agenda na capital paulista

O presidente chegou a São Paulo por volta das 7h. Antes da motociata, Bolsonaro participou de um um evento em um colégio militar para entrega de boinas a 82 novos alunos do 6º ano da capital paulista.

Bolsonaro não fez discurso, mas entregou a um dos novos alunos a boina vermelha, que representa a entrada no colégio militar e uma nova fase na vida acadêmica.

O percurso é mantido em sigilo pelo Palácio do Planalto “por questões de segurança”, mas foi combinado na última quinta-feira (10) entre motoclubes organizadores e a Polícia Militar. Representantes do Exército também opinaram sobre o trajeto.

Confira:

Avenida Olavo Fontoura
Praça Campos de Bagatelle
Avenida Santos Dumont
Avenida do Estado
Ponte Governador Orestes Quércia
Marginal Tietê
Rodovia Bandeirantes (trevo km 62) – ida e volta
Marginal Pinheiros
Ponte Engenheiro Ari Torres
Avenida dos Bandeirantes
Corredor Norte-Sul – Avenida Rubem Berta
Avenida Pedro Álvares Cabral
Praça Armando de Sales Oliveira (retorno)
Praça Ibrahim Nobre (Obelisco)

A rodovia dos Bandeirantes está interditada entre os quilômetros 14 e 61, nos dois sentidos, em razão da motociata. Segundo a concessionária CCR AutoBan, a alternativa é a rodovia Anhanguera.

A Polícia Militar definiu as seguintes regras para a manifestação: motocicletas precisam estar emplacadas, não podem ser empinadas nem ultrapassar os 40 km/h de velocidade. É obrigatório o uso de capacete e máscara facial para a proteção contra a covid-19. O Ministério Público irá fazer o acompanhamento para fiscalizar o cumprimento dos protocolos sanitários.

Fonte: Folhapress

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Banca de Jornal

Propaganda