Conecte-se conosco

    Política

    Lira chama presidente da Petrobras de ‘ilegítimo’

    Publicado

    em

    Lira chama presidente da Petrobras de 'ilegítimo'

    O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), subiu o tom hoje em sua ofensiva contra a Petrobras por causa da recusa da empresa em segurar os preços dos combustíveis. Em um artigo publicado neste domingo, conforme adiantou o colunista do GLOBO Lauro Jardim, ele chamou o atual presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, de “ilegítimo”, embora não mencione que o executivo tenha sido escolhido e indicado para comandar a estatal pelo próprio presidente Jair Bolsonaro em abril.

    A partir da indicação, Coelho foi eleito numa assembleia de acionistas, onde o governo tem a maioria dos votos, para integrar o Conselho de Administração da empresa. Em seguida, ele foi escolhido por este colegiado para presidir a estatal. A União é a maior acionista da empresa. No conselho, o governo tem atualmente 6 das 11 cadeiras.

    No entanto, no início de junho, pouco mais de um mês depois da posse do executivo, Bolsonaro pediu à empresa a sua substituição por Caio Paes de Andrade, auxiliar do ministro Paulo Guedes, mas o processo burocrático ainda está em curso. Enquanto isso, Coelho segue no comando e resiste às pressões do governo e de Lira para renunciar.

    Na última sexta-feira, a diretoria liderada por Coelho determinou um novo reajuste nos preços de diesel e gasolina, o que irritou Lira e o presidente Jair Bolsonaro, que teme o impacto da escalada dos preços dos combustíveis em sua popularidade em meio ao início da campanha pela reeleição em posição desfavorável nas pesquisas.

    Em um artigo publicado neste domingo no site da Folha de S. Paulo, o presidente da Câmara ameaça levantar informações sobre ganhos e despesas dos executivos da empresa, a quem acusa de usar uma face estatal quando busca apoio do governo para obter condições diferenciadas, e como “capitalista selvagem” para manter lucros bilionários.

    Na última sexta-feira, a diretoria liderada por Coelho determinou um novo reajuste nos preços de diesel e gasolina, o que irritou Lira e o presidente Jair Bolsonaro, que teme o impacto da escalada dos preços dos combustíveis em sua popularidade em meio ao início da campanha pela reeleição em posição desfavorável nas pesquisas.
    Em um artigo publicado neste domingo no site da Folha de S. Paulo, o presidente da Câmara ameaça levantar informações sobre ganhos e despesas dos executivos da empresa, a quem acusa de usar uma face estatal quando busca apoio do governo para obter condições diferenciadas, e como “capitalista selvagem” para manter lucros bilionários.

    No artigo, o presidente da Câmara defende o fim do que chama de complacência com a empresa, que definiu como “uma criança mimada”.

    “O primeiro passo que temos de dar é conhecê-la. Quanto gastam seus diretores em suas viagens? Quanto custam suas hospedagens? No exterior ficam onde? Em que carro andam? Quem paga seus almoços e jantares? Alugam carros? Aviões? Helicópteros? Há excessos? De onde vieram? Como constituíram seus patrimônios? Seus parentes: investem onde e são ligados a quem? Depois, temos de entender os critérios de formulação de políticas da empresa. Temos de entender com quem os diretores e os conselheiros conversam. E esses interlocutores: são ligados a que interesses?”, escreveu Lira.

    O deputado faz menção a um artigo da Constituição que define a Petrobras como uma empresa de “interesse público” e critica o foco da diretoria na manutenção dos lucros bilionários proporcionados pela atual alta do preço do petróleo no mercado internacional, agravada pela guerra na Ucrânia. No entanto, não menciona que a maior parte dos dividendos pagos pela empresa vão para o caixa do governo.

    “A Petrobras é uma criança mimada, sempre tratada historicamente com excessiva complacência. Ela tem o direito de lucrar astronomicamente? Então a sociedade tem o dever de tributar mais os seus lucros, tratá-la com distanciamento. Não podemos mais conviver com a selvagem petroleira capitalista com a mesma informalidade que tratávamos a estatal: o que antes era questão de Estado agora pode ser até ‘conflito de interesses’, ‘tráfico de influência”, diz outro trecho do artigo.

    Fonte: globo.com

    Propaganda
    Clique para comentar

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Propaganda

    Banca de Jornal

    Propaganda

    Popular